'Toda morte de preto é acidental', questiona irmã de caseiro morto baleado por PM

'Toda morte de preto é acidental', disse a irmã de Reginaldo Avelar Porto, de 37 anos, caseiro morto com um tiro disparado por um policial militar, no Sampaio, na Zona Norte do Rio, nessa segunda-feira. Rogéria Avelar está no Instituto Médico-Legal (IML) no Centro do Rio para liberar o corpo do irmão. Ele morreu quando tentava apartar uma briga que começou perto do lava-jato onde fazia um trabalho extra para complementar a renda. A PM diz que o disparo foi feito acidentalmente quando o agente também tentava colocar fim à briga.

— Meu irmão foi afastar a briga, aí chegaram os policiais com a mão no gatilho já, né. Porque eles só sabem chegar assim, para matar. Agora ão vou dizer que foi acidental, eles falam que foi acidental, né? Toda morte de preto é acidental. Aí, meu filho, só Deus sabe. Só meu irmão que estava lá, ele foi afastar uma briga que não era dele. Uma pessoa boa, meu irmão é uma pessoa boa. Ele ia trabalhar. Ele toma conta de uma senhora — disse Rogéria ao RJ TV, da TV Globo, ao chegar no IML.

Reginaldo foi ferido no peito pelo tiro de fuzil no início da tarde de ontem, na Avenida Marechal Rondon, no Sampaio. A confusão continuou embaixo do viaduto Engenheiro Armando Coelho, na saída do Túnel Noel Rosa. Ele e um policial tentavam separar a confusão entre dois homens quando um tiro foi disparado e o acertou. Reginaldo chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Municipal Salgado Filho, onde morreu. Moradores do entorno fizeram protesto até à noite.

De acordo com uma nota divulgada pela PM, “durante a tentativa de separar os envolvidos, a arma de um dos policiais foi disparada acidentalmente”.

— Alguém pode me explicar como acidental se eles já vêm com a arma para atirar? Alguém tem que me dar essa explicação. É acidental isso? Para mim não é acidental. Já vem com o gatilho já empunhado para matar, para matar preto. Vou falar mais o quê? Tô revoltada sim. Tô revoltada. Tinha que unir todas as favelas, comunidades, e descer lá pro governo. associação dos morros todos, das comunidades todas. Tem que acabar com isso. Não vai acabar. Amanhã vai tá acontecendo isso de novo — questionou Rogéria.

O policial militar, responsável pelo disparo, é lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro São João, no Engenho Novo. O agente está preso preventivamente até a audiência de custódia.

Em nota, a PM disse que “ a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) e a 1ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM) acompanham o caso”. Por sua vez, a Polícia Civil informou que, “de acordo com a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), o caso foi registrado como homicídio culposo. A investigação ficará a cargo da 1ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar (DPJM)”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos