'Todo mundo gostaria de passar a tarde com um príncipe. Principalmente vocês, mulheres', diz Bolsonaro

Bolsonaro abandonou a entrevista ao ser questionado sobre o comentário do ministro Celso de Mello, do STF. (Foto: Valdenio Vieira/PR)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que ‘principalmente as mulheres’ gostariam de passar a tarde com um príncipe ao ser questionado sobre a pauta da agenda do encontro entre ele e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, conhecido como MBS — com quem tem três encontros marcados na capital do país árabe.

“Todo mundo gostaria de passar a tarde com um príncipe. Principalmente vocês, mulheres, né?”, disparou o presidente na manhã desta terça-feira (29), na saída do hotel onde está hospedado em Riade, capital da Arábia Saudita. “Tem uma certa afinidade entre nós dois, desde o ultimo encontro em Osaka (na reunião do G20, no Japão). Acredito que vai ser uma tarde bastante proveitosa”, completou Bolsonaro.

Leia também

Recentemente, o príncipe herdeiro tem tentado modificar a imagem internacional do reino saudita e mostrar ao exterior uma imagem de maior abertura com relação aos costumes, principalmente no que diz respeito aos direitos das mulheres. uma série de restrições no país, como a forma de se vestir.

No fim de setembro, Mohammed bin Salman assumiu “total responsabilidade” pela morte do jornalista Jamal Khashoggi em 2018, mas negou ter dado a ordem para que ele fosse morto. “Este foi um crime hediondo. Assumo total responsabilidade como líder da Arábia Saudita”, afirmou Bin Salman durante uma entrevista exibida pela rede de TV americana CBS.

Crítico ao governo saudita, Khashoggi foi morto dentro do consulado de seu país em Istambul.

ABANDONO NO MEIO

Na sequência da entrevista, ao ser perguntado sobre Celso de Mello, virou-se e encerrou a entrevista, mostrou um vídeo publicado na conta da BBC Brasil no Twitter. Na noite de segunda-feira, o decano do STF (Supremo Tribunal Federal) comentou um vídeo publicado na conta oficial de Bolsonaro no Twitter que retrata o STF entre instituições que seriam ameaças a ele.

"A ser verdadeira a postagem feita pelo senhor presidente da República em sua conta pessoal no 'Twitter', torna-se evidente que o atrevimento presidencial parece não encontrar limites na compostura que um chefe de Estado deve demonstrar no exercício de suas altas funções, pois o vídeo que equipara, ofensivamente, o Supremo Tribunal Federal a uma 'hiena' culmina, de modo absurdo e grosseiro, por falsamente identificar a Suprema Corte como um de seus opositores", disse o ministro em resposta enviada por sua assessoria, após questionamento feito pelo jornal Folha de S.Paulo sobre o vídeo.

No vídeo em questão, Bolsonaro é representado por um leão cercado por hienas identificadas com símbolos do STF, da ONU, da OAB, de órgãos de imprensa e até do partido do presidente, o PSL, entre outros.

Celso de Mello, o ministro decano do STF, disse que o comportamento revelado no vídeo representa a "expressão odiosa (e profundamente lamentável) de quem desconhece o dogma da separação de Poderes", e de quem teme um Judiciário independente, em que nenhuma autoridade está acima da Constituição e das leis.

"É imperioso que o senhor presidente da República --que não é um 'monarca presidencial', como se o nosso país absurdamente fosse uma selva na qual o Leão imperasse com poderes absolutos e ilimitados-- saiba que, em uma sociedade civilizada e de perfil democrático, jamais haverá cidadãos livres sem um Poder Judiciário independente, como o é a Magistratura do Brasil", acrescentou.

Procurado por meio de sua assessoria, o presidente do STF, Dias Toffoli, não respondeu a um pedido de comentário sobre o vídeo.