'Todos com Mario Draghi', Itália em busca de uma unidade histórica

·3 minuto de leitura

Na Itália, políticos de esquerda, direita e centro se unem para apoiar a tentativa do economista e ex-presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, de formar um governo de unidade nacional, desafio histórico repleto de dificuldades.

O chamado salvador do euro há uma década, 73 anos e formado no prestigioso MIT de Boston, não é apenas um tecnocrata, mas também alguém que sabe lidar com os políticos.

“Ele é o funcionário público clássico que se adapta às diferentes circunstâncias políticas, o que não significa que não tenha seus próprios princípios e valores”, disse à AFP Alessandro Speciale, jornalista e biógrafo de Draghi.

Encarregado pelo presidente Sergio Mattarella de formar um governo com amplo consenso para enfrentar a pior crise econômica e sanitária da Itália desde a Segunda Guerra Mundial, Draghi está diante do maior desafio de sua carreira.

Sua nomeação gerou como primeiro efeito a queda do custo da dívida, que nesta terça-feira registrou taxa abaixo de 0,50%, a menor de sua história recente.

No entanto, terá que enfrentar as consequências da morte em menos de um ano de 91.500 pessoas devido à pandemia do coronavírus, a perda de 450.000 empregos durante 2020 e o risco de uma maior explosão do desemprego quando for suspenso, em março, o bloqueio das demissões.

A pandemia e suas consequências na economia e na sociedade está forçando os partidos a se aliarem para formar uma coalizão no Parlamento que vai da esquerda à extrema direita e xenófoba Liga, de Matteo Salvini.

“Justifica apelar à unidade para salvar a Itália? Diante de tantas emergências com certeza sim. Mas a dificuldade é estabelecer um modelo social unitário. Dessa crise é necessário sair com novas ideias e projetos. Um modelo de uma nova Europa política e política deve nascer. uma nova previdência (assistência social) ”, assegura à AFP o cientista político Aldo Garzia.

- O programa de Draghi -

Em uma pesquisa publicada pelo jornal La Repubblica, Draghi ultrapassou o primeiro-ministro Giuseppe Conte como o político mais popular da Itália, com 71%.

Para Wolfango Piccoli, da consultoria Teneo, Draghi tem capital político suficiente para impor sua autoridade, pelo menos por enquanto.

Após a primeira rodada de consultas para ouvir os líderes de todos os partidos, Draghi iniciou o segundo turno na segunda-feira para ilustrar seu programa de governo.

Segundo fontes parlamentares, ele resumiu seu governo como "pró-europeu e defensor do meio ambiente", que dará prioridade ao colossal programa de reconstrução do país com recursos da União Europeia, a campanha de vacinação e as reformas do tesouraria, administração pública e educacional.

O ex-primeiro-ministro e magnata das comunicações Silvio Berlusconi voltou ao Parlamento após sua expulsão em 2013 para anunciar seu apoio.

"Sim para Draghi, este não é o momento para cálculos eleitorais. Nós somos por um governo de unidade nacional", declarou o líder magnata idoso do partido de centro Forza Italia.

Por outro lado, o apoio da extrema direita da Liga Salvini é um dos problemas mais complicados.

Nesta ocasião, a guerra contra a pandemia é o elemento unificador, embora para muitos observadores a presença de Salvini seja difícil de aceitar.

“Não acho que a Liga de extrema direita seja um problema”, diz o consultor Piccoli, que acredita que o apoio de Salvini deve permitir que ele tenha relações mais fluidas com regiões controladas pela Liga.

Em março de 2020, Draghi definiu sua posição sobre a pandemia: "Diante de circunstâncias imprevisíveis, uma mudança de mentalidade é necessária, como em tempos de guerra", escreveu ele em coluna do Financial Times.

Aluno do economista e grande defensor do "welfare state" Federico Caffé, Draghi "é a favor de uma regulamentação estrita (dos mercados) e de um estado de bem-estar que proteja os que ficam para trás", lembrou Marcello Messori, economista da Universidade Luiss de Roma, à AFP.

bur-kv/mb/ap/mvv