Tom Holland provoca Martin Scorsese: 'Filmes de super-heróis são arte'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Martin Scorsese
    Martin Scorsese
    Cineasta norte-americano

A polêmica entre o cineasta Martin Scorsese e filmes de super-heróis ganhou um novo capítulo. Nesta sexta-feira (24), o nome do renomado diretor foi parar nos assuntos do momento do Twitter depois de ser citado por Tom Holland (Homem-Aranha) em recente entrevista ao The Hollywood Reporter, dividindo opiniões entre internautas.

Com intenção de provocar Scorsese, o ator defendeu os filmes de heróis colocando-os no patamar de arte:

"Você pode perguntar a Martin Scorsese ‘Você gostaria de fazer um filme da Marvel?’ Mas ele não sabe como é porque nunca fez um", comenta o intérprete de Peter Parker.

"Eu fiz filmes de super-heróis e filmes que estiveram considerados para o Oscar, e a única diferença de verdade entre eles é que um é mais caro, e o outro mais barato. A forma como eu penso no meu personagem, a forma como o diretor pensa na história e nos arcos, é tudo o mesmo processo, em uma escala diferente. Então sim, eu acho que filmes de super-heróis são arte", finaliza.

Além de Holland, outros nomes do cinema defenderam os filmes da Marvel e da DC como Robert Downey Jr., conhecido por interpretar o Homem de Ferro e James Gunn, diretor de "Guardiões da Galáxia" e "Esquadrão Suicida".

Na última quinta-feira (16), o terceiro filme da franquia Homem-Aranha, “Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa", com Tom Holland no papel estreou no Brasil, levando mais de 5.2 milhões de pessoas ao cinema e fazendo mais de 105 milhões de reais em bilheteria, incluindo as pré-estreias pagas.

Entenda a polêmica

Tudo começou em 2019, quando Martin Scorsese deu uma entrevista à revista Empire e declarou que filme de herói não é cinema.

"Eu tentei, sabe? Mas aquilo não é cinema. Honestamente, o máximo que consigo considerá-los é, apesar de serem bem feitos, com atores fazendo o melhor que podem, são como parques temáticos. Não é cinema, com humanos tentando conceber emoções e experiências piscológicas para outros seres humanos", opinou Martin.

Meses depois, Martin Scorsese defendeu sua opinião em um artigo no jornal The New York Times sobre o futuro do cinema.

Outros nomes também criticaram as franquias de arrecadação bilionárias como Coppola (O Poderoso Chefão), que chamou os filmes de heróis de "desprezíveis" e James Cameron que acredita que essas produções estão roubando espaço das ficções científicas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos