‘Tomamos chuva à toa?’: Bolsonaristas criticam relatório da Defesa sobre urnas

Bolsonaristas esperavam que relatório da Defesa desse fôlego a Bolsonaro (PL) após derrota nas urnas para Lula (PT) - Foto: AP Photo/Matias Delacroix
Bolsonaristas esperavam que relatório da Defesa desse fôlego a Bolsonaro (PL) após derrota nas urnas para Lula (PT) - Foto: AP Photo/Matias Delacroix

O Ministério da Defesa enviou nesta quarta-feira (9) ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o relatório produzido pela equipe técnica das Forças Armadas sobre a fiscalização da urna eletrônica que concluiu que os dados de totalização dos votos das eleições deste ano estão corretos.

O documento entregue à Justiça Eleitoral, não citou em nenhum momento o indício de fraude no processo eleitoral. Os militares fazem parte da comissão de transparência criada pelo próprio TSE para fiscalizar as eleições, que foram encerradas no dia 30 de outubro.

No entanto, quem não gostou do resultado, foram os bolsonaristas, que indignados com o relatório da pasta, foram até o perfil do Ministério em uma rede social e iniciaram uma série de ataques e críticas ao documento.

No Twitter, um internauta chegou a questionar se ele e outros manifestantes tomaram "chuva à toa" ao participar de atos pró-Bolsonaro.

‘Tomamos chuva, fomos atropelados, passamos vergonha à toa? É isso? Caramba viu’, escreveu o seguidor na rede social.

Na mesma publicação uma outra seguidora, questionou se acompanhado do resultado não viria junto uma nota de repúdio da pasta.

‘Não vem nem a nota de repúdio junto? E o povo que clama por SOCORRO, como fica?’, postou a seguidora.

As manifestações e paralisações nas rodovias do país, iniciaram após resultado das eleições presidenciais no dia 30 de outubro, que deram vitória a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) contra o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Os bolsonaristas defendiam durante os atos, que as urnas haviam sido fraudadas, chegando a acionar um possível golpe.

O ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE, divulgou uma nota sobre a fiscalização feita pelos militares.

"O relatório final do Ministério da Defesa que, assim como todas as demais entidades fiscalizadoras, não apontou a existência de nenhuma fraude ou inconsistência nas urnas eletrônicas e no processo eleitoral de 2022."

Ainda de acordo com o presidente, o documento, entregue pelas Forças Armadas no mesmo dia em que o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) visitou o TSE, comprova a lisura e transparência da apuração dos votos no segundo turno das eleições.