Torcedores do Irã são abordados por polícia em estádio por causa de bandeira proibida do Irã

Torcedores iranianos que levaram uma antiga bandeira do país para a partida contra a Inglaterra foram barrados pela segurança do estádio Khalifa, no Catar. O grupo tentou entrar com a bandeira persa, que o país utilizava antes da revolução de 1979, que levou os aiatolás ao poder no país. O uso do símbolo é proibido no país desde então.

A partida entre Inglaterra e Irã foi marcada por um tom político, já que no dia anterior a Fifa barrou os ingleses de usarem uma braçadeira com referência aos direitos LGBT, um dos pontos polêmicos da realização da Copa no Catar. Antes da partida, os jogadores ingleses se ajoelharam em campo em sinal de protesto. Além disso, os jogadores do Irã também não cantaram o hino nacional do país, no que foi visto como um possível apoio aos protestos realizados no país nos últimos meses.

O vídeo do grupo que tentou entrar no estádio com a antiga bandeira do país viralizou nas redes sociais e, segundo relatos, os torcedores também foram proibidos de deixar o local por algumas horas. Segundo o jornalista que divulgou os vídeos, eles foram abordados por oficiais do Catar e do Irã e depois liberados com o aviso para que não trouxessem a bandeira novamente ao estádio.

Dentro do estádio, alguns torcedores também levaram sinais em sinal de apoio aos protestos no Irã. Nos últimos meses, as manifestações tem sido reprimidas pelo governo iraniano e marcado pela presença maciça de mulheres, que cobram mais direitos do regime que comanda o país.

O GLOBO procurou a Fifa sobre um posicionamento em relação ao episódio e aguarda uma resposta.