Torcedores terão que pagar R$ 75 por uma cerveja na Copa do Catar

Debate sobre venda de bebidas alcoólicas tem sido um dos problemas para a Fifa dias antes do início da Copa. Foto: Metin Pala/Anadolu Agency/Getty Images
Debate sobre venda de bebidas alcoólicas tem sido um dos problemas para a Fifa dias antes do início da Copa. Foto: Metin Pala/Anadolu Agency/Getty Images

Os fãs de futebol terão que gastar pouco mais de 14 dólares (cerca de 75 reais) por uma cerveja na Copa do Mundo – apesar das promessas pré-torneio dos organizadores de manter os preços modestos. Também haverá um limite de quatro bebidas por pedido, em meio a temores de que alguns torcedores possam beber demais.

O álcool é geralmente restrito no Catar, um país muçulmano conservador, com os poucos bares de hotéis permitidos cobrando entre 15 e 18 dólares por uma cerveja ou uma taça de vinho.

Leia também:

Foi indicado por Nasser al-Khater, diretor executivo da Copa do Mundo de 2022, que os preços da cerveja nas fan zones e nos estádios seriam muito mais baixos para os torcedores, com especulações indicando preços entre 8 e 9,5 dólares por litro.

No entanto, descobriu-se que um copo de 500 ml de Budweiser, a única cerveja oficial da Copa do Mundo, custará 50 riais – cerca de US$ 13,81. Uma versão sem álcool custará 30 riais (US$ 8,33) e a água custará 10 riais (US$ 2,34).

A Budweiser afirmou que os fãs, que devem provar que têm mais de 21 anos para comprar álcool, estarão limitados a uma “compra máxima de quatro unidades de Budweiser por pessoa”. Os apoiadores também estão sendo informados: “Beba mais sabiamente, torça melhor, hidrate-se entre os Buds”.

Em um sinal de que pode ter havido discussões com a Fifa e o governo do Catar antes que a política de preços final fosse alcançada, a empresa acrescentou em seu comunicado: “A Budweiser se orgulha de ser atendida em conformidade com as regras e regulamentos locais pela concessionária indicada pela Fifa.”

No domingo (13), surgiram especulações que a Budweiser havia sido instruída a mudar suas estações de cerveja para locais menos visíveis fora dos estádios, com o New York Times relatando que a ordem veio do xeque Jassim bin Hamad bin Khalifa al-Thani, irmão do governante do Catar.