Torcida do Flamengo chama Pelé de maconheiro durante homenagem

Grito entoado por torcedores que estavam no Maracanã foi repreendido nas redes sociais

Cerca de 24 mil torcedores foram ver a estreia do Flamengo na temporada 2023. Foto: Buda Mendes/Getty Images
Cerca de 24 mil torcedores foram ver a estreia do Flamengo na temporada 2023. Foto: Buda Mendes/Getty Images

O Flamengo estreou na temporada 2023 nesta quinta-feira (12), em jogo antecipado da quinta rodada do Campeonato Carioca e venceu o Audax-RJ por 1 a 0. Mas ao invés do primeiro triunfo no ano, o assunto foi a torcida rubro-negra que protagonizou um momento que dividiu opiniões nas redes sociais.

Em meio a uma homenagem ao Rei Pelé, quando foi pedido pelo sistema de som do Maracanã um minuto de silêncio, o Nação cantou uma canção pejorativa para exaltar o ídolo Zico.

Leia também:

“Zico! Zico! Zico! O Pelé é maconheiro e o Maradona cheirador”, cantaram alguns torcedores no estádio que agora é circundado pela avenida Rei Pelé, em uma das homenagens prestadas ao ex-jogador que faleceu no fim de 2022.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A canção exalta Zico, mas difama Pelé e Maradona e não foi cantada por todos os cerca de 24 mil torcedores que estavam no estádio e a repercussão foi extremamente negativa nas redes sociais, com vários rubro-negros condenando a ação.

Além da homenagem à Pelé, Roberto Dinamite ídolo do rival Vasco, também foi lembrado, mas não teve a mesma repercussão, já que a torcida flamenguista aplaudiu o ex-jogador, falecido nesta semana.

Pelé vestiu a camisa do Flamengo em jogo beneficente em 1979

A atitude dos flamenguistas que foram ao Maracanã na última quinta-feira não lembrou nem de perto quando Pelé vestiu a camisa do Flamengo em 1979. Naquela ocasião o Rei do Futebol foi ovacionado por cerca de 140 mil torcedores.

O motivo do ídolo santista vestir a camisa 10 do clube carioca era nobre. A renda do jogo entre Flamengo e Atlético-MG seria revertida para as vítimas das chuvas que atingiram Minas Gerais, o seu estado natal, deixando 246 mortos e milhares de desabrigados.

A renda da partida foi de mais de 8 milhões de cruzeiros e Pelé recebeu a camisa 10 de Zico, que entrou em campo com a 9. Aos 38 anos, ele tinha se despedido do futebol um ano e meio antes, pelo Cosmos.

O momento de maior emoção aconteceu aos 35 minutos, quando o árbitro Walquir Pimentel marcou pênalti de Luisinho em Tita. A torcida pediu Pelé na batida e Zico chegou a pegar a bola e oferecê-la ao tricampeão mundial.

O Rei abdicou, deixando a cobrança para o Galinho que fez o gol. Pelé deixou a partida no intervalo e o Flamengo venceu o amistoso por 5 a 1.