Toshiba estuda recuperação judicial da Westinghouse e prevê US$9 bilhões em encargos, dizem fontes

Por Taro Fuse

Por Taro Fuse

TÓQUIO (Reuters) - A japonesa Toshiba informou seus principais credores que planeja fazer pedido de recuperação judicial da unidade nuclear norte-americana Westinghouse Electric em 31 de março, disseram fontes a par do assunto nesta sexta-feira.

A Toshiba avalia que um pedido de recuperação para a Westinghouse ampliaria os custos relacionadas à unidade dos EUA no ano financeiro atual para em torno de 1 trilhão de ienes (9 bilhões de dólares) ante sua estimativa já publicada de 712,5 bilhões de ienes, afirmaram as fontes.

O pedido de recuperação, porém, permite que o conglomerado limite os riscos de perdas futuras na Westinghouse, que tem sido afetada por enormes custos excedentes em dois projetos nucleares norte-americanos. A decisão vem apenas três meses depois de a Toshiba ter alertado pela primeira vez sobre os custos de vários bilhões de dólares da Westinghouse.

A turbulência financeira que se seguiu já fez a Toshiba colocar a sua unidade de chips de memória à venda, considerar a venda de uma participação majoritária na Westinghouse e perder prazos para divulgar resultados que colocaram em risco a listagem de suas ações em bolsa.

A Toshiba está agora em discussões com os credores sobre financiamento após o potencial pedido de recuperação judicial da Westinghouse, disseram as fontes, que pediram para não serem identificadas porque não estavam autorizadas a falar com a mídia sobre o assunto.

A Toshiba disse nesta sexta-feira que não era apropriado comentar prematuramente.

"Se a Westinghouse apresenta ou não o pedido de recuperação judicial é, em última instância, uma decisão para seu conselho, e deve levar em conta os vários interesses de todas as suas partes interessadas, incluindo a Toshiba e seus credores", disse em comunicado.

Os principais bancos credores da Toshiba incluem Sumitomo Mitsui Banking e Mizuho Bank. Representantes do banco não estavam imediatamente disponíveis para comentários fora do horário comercial normal.