A "toupeira" da InSight em Marte pode retomar seus trabalhos em 2021; entenda

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

Parece que as coisas voltaram a correr bem com a teimosa "toupeira" da sonda InSight, em Marte: segundo informações de oficiais da NASA, é possível que o instrumento volte a cavar por conta própria já no começo do ano que vem e, assim, consiga coletar informações sobre a temperatura do interior de Marte. Até lá, mais solo será acumulado para que o procedimento seja feito com sucesso.

O instrumento em questão tem o nome oficial de Heat Flow and Physical Properties Package (HP3), mas recebeu o apelido simpático de “toupeira” porque precisa se enterrar a pelo menos 3 metros abaixo da superfície marciana para conseguir coletar dados de temperatura. Entretanto, isso não tem sido fácil desde a chegada da missão: a toupeira foi criada para que o solo solto se movimente e gere fricção para cavar mais fundo. Sem a fricção, o instrumento fica apenas pulando no lugar enquanto tenta cavar — tanto que, em julho, a equipe precisou parar a perfuração para verificar o estado do dispositivo.

Aqui, o braço robótico se retrai e revela onde a toupeira está tentando cavar (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)
Aqui, o braço robótico se retrai e revela onde a toupeira está tentando cavar (Imagem: Reprodução/NASA/JPL-Caltech)

Ali, eles tiveram uma boa surpresa e viram que o instrumento estava coberto de areia e poderia ter a fricção necessária para cavar. Esse é um procedimento desafiador, pois o solo onde o InSight pousou se mostrou diferente daquele que outras missões encontraram, porque, conforme martela, se mantém unido e forma uma espécie de buraco à volta do dispositivo, e não fornece a fricção. Como resultado, a toupeira simplesmente saltou para fora no ano passado. Para evitar isso, a equipe posicionou a pequena concha do braço robótico do InSight na parte de cima, para ficar firme no solo.

Agora, a toupeira está enterrada no solo e a concha será usada para puxar mais terra e, assim, fornecer mais fricção — só que deverá demorar até o ano que vem até haver solo suficiente para que o instrumento possa continuar as atividades. Esse procedimento será importante para que a toupeira consiga trabalhar de forma autônoma, sem precisar da ajuda do braço robótico. "Estou feliz por termos nos recuperado do evento de 'pular para fora' que experienciamos, e conseguimos colocar a toupeira mais fundo do que nunca", disse Troy Hudson, cientista e engenheiro no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL).

A toupeira é um dos dois principais instrumentos científicos que equipam a InSight; o outro inclui um conjunto de sismômetros de grande sensibilidade, que já registraram centenas de "martemotos" — os terremotos marcianos —, cujos áudios foram disponibilizados. Os dados das descobertas da missão estão ajudando a equipe a mapear a estrutura interior do planeta com detalhes sem precedentes. A sonda InSight pousou em Marte no final de 2018, com o objetivo de estudar o interior do Planeta Vermelho.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: