Tráfico de armas: polícia do RS prende membros de quadrilha que abastecia caça ilegal de animais ameaçados

A Polícia Civil prendeu, em ação realizada nesta sexta-feira (18), no Rio Grande do Sul, sete pessoas suspeitas de envolvimento num esquema de tráfico de armas que ajudava a abastecer a caça ilegal de animais silvestres em vários municípios do estado. Na Operação Arca Especial II, 16 armas, como revólveres, carabinas, fuzis, pistolas, além de munições, foram apreendidas.

Política armamentista: Apreensões de fuzil brasileiro liberado a CACs no governo Bolsonaro explodem em 2022

'Comia tripas e lesma': brasileiros vítimas de tráfico humano na Ásia conseguem voltar para casa após 4 meses; entenda o caso

Segundo os investigadores, a quadrilha usava as redes sociais para comercializar as armas, em grupos fechados e até em aplicativos de troca de mensagens, como o Telegram. Como propaganda à atividade criminosa, eles ainda exibiam aos compradores vídeos e fotos com animais silvestres abatidos. A polícia acredita, inclusive, que espécies ameaçadas de extinção possam ter sido caçadas com estes armamentos.

A operação contou com policiais civis e militares nos municípios de Nova Santa Rita, Portão, Igrejinha, Canoas, Guaíba, Gravataí, São José do Sul, Terra de Areia e Três Forquilhas. Ao todo, foram cumpridas 22 ordens judiciais.