Último membro do "Cocaine Cowboy" é preso após 26 anos nos EUA

Miami (EUA), 13 abr (EFE).- Gustavo Falcon, também conhecido como Taby, um dos narcotraficantes do grupo "Cocaine Cowboys" que operava no sul da Flórida nos anos 80, foi detido perto de Orlando, após estar foragido por 26 anos, informaram nesta quinta-feira meios locais.

Falcon, de 55 anos e origem cubana, é irmão do traficando Augusto Falcon, conhecido como "Willie", junto a ele e Salvador Magluta, foi acusado em 1991 do contrabando de toneladas de cocaína desde a Colômbia, mas até hoje estava em paradeiro desconhecido.

O acusado comparecerá pela primeira vez em um tribunal de Orlando nesta quinta-feira, segundo diversos meios.

Barry Golden, porta-voz do Serviço de xerife dos EUA, em Miami, apontou que Gustavo Falcon é o "último dos Cocaine 'Cowboys'" (Vaqueiros da cocaína), uma rede de narcotráfico considerada uma das maiores nesses anos.

Segundo o jornal "El Nuevo Herald", Gustavo Falcon e sua esposa Amelia foram interceptados na quarta-feira pelas autoridades em uma intersecção de ruas na localidade de Kissimmee, após um passeio de bicicleta de cerca de 40 milhas (64 quilômetros).

Tanto Falcon como sua esposa e seus dois filhos utilizavam carteiras de motoristas falsas e um endereço postal de Miami.

O anonimato em que vivia Falcon começou a desaparecer quando em 2013 se envolveu em um acidente de trânsito em Orlando e utilizou uma carteira de identidade falsa com um endereço de Miami, o que levou às autoridades a iniciarem uma série de investigações no sul da Flórida.

Falcon e sua família, que viviana zona de Orlando desde 1999, tinham alugado uma moradia na localidade de Kissimmee, que a polícia começou a vigiar.

Para as autoridades foi uma surpresa identificar o irmão do traficante, já que pensavam que permanecia escondido durante todos estes anos no México ou Colômbia.

"Descobrimos tudo isto há um mês. Tiramos sua licença de conduzir e vimos que era mesmo Gustavo Falcon ", disse Golden.

Gustavo Falcon foi visto pela última vez no sul de Flórida em 1991, pouco antes das acusações apresentadas contra ele por narcotráfico.

Seu irmão Augusto "Willy" Falcon operava junto com Salvador Magluta, também de origem cubana, uma das maiores redes de narcotráfico nos EUA.

Ambos foram absolvidos em 1996 pelo tráfico de 100 mil quilos de cocaína, em uma decisão que surpreendeu a Procuradoria Federal e jogou por terra anos de investigação sobre essa rede.

Não obstante, pouco depois foi revelado que dois membros do júri tinham aceitado subornos dos dois narcotraficantes para que estes fossem absolvidos, segundo o jornal de Miami.

Os dois eram conhecidos por traficantes colombianos como "Los chicos" de Miami, segundo os documentos do tribunal.

De acordo com as autoridades, Falcon e Magluta começaram no tráfego de drogas na década de 80 e transportavam por ar cocaína aos Cayos da Flórida e a outras zonas do sul do estado.

Magluta foi condenado em 2002 a 205 anos de cárcere pelo delito de lavagem de dinheiro procedente das drogas, uma sentença que foi reduzida a 195 anos em 2006, enquanto "Willie" Falcon foi condenado a 20 anos de prisão após se declarar culpado das acusações contra eles. EFE