Três ex-funcionários de hospital da Virgínia são acusados de homicídio em caso de morte de homem negro

Advogado de direitos civis, Ben Crump

Por Tyler Clifford e Brendan O'Brien

(Reuters) - Três ex-funcionários de um hospital psiquiátrico no Estado norte-americano da Virgínia foram presos e acusados de homicídio em segundo grau nesta quinta-feira, disse um promotor, pela morte de um homem negro que foi transportado da prisão para a instalação no início deste mês.

Irvo Otieno, de 28 anos, morreu em 6 de março enquanto estava internado no Central State Hospital, na cidade de Petersburg, de acordo com a advogada comunitária do Condado de Dinwiddie, Ann Cabell Baskervill. Petersburg fica na região central da Virgínia, cerca de 40 km ao sul da capital Richmond.

A nova lista de acusações eleva para dez o número de pessoas acusadas pela morte de Otieno, incluindo delegados do xerife. É o caso mais recente de morte de um negro durante um encontro com a polícia a chamar a atenção do país.

Darian Blackwell, 23, Wavie Jones, 34, e Sadarius Williams, 27, foram presos na quinta-feira, um dia depois que as acusações de homicídio foram apresentadas. Os suspeitos estão detidos sem fiança em uma prisão no condado vizinho de Brunswick, disseram os promotores.

Seus casos serão apresentados a um grande júri em Dinwiddie na próxima semana. Os advogados dos suspeitos ainda não foram listados nos documentos do tribunal.

A família assistiu a um vídeo de vigilância na quinta-feira, gravado no centro de saúde mental, que captou a morte de Otieno. Ao descrever o incidente, o advogado de direitos civis Ben Crump, representando a família, disse que Otieno foi algemado e sufocado até a morte por 12 minutos por sete policiais no estabelecimento de saúde mental.

(Reportagem de Brendan O'Brien em Chicago e Tyler Clifford em Nova York)