Três filmes brasileiros competem no Festival de Roterdã

RIO — O cinema brasileiro estará presente na 49ª edição do Festival de Roterdã, que acontece entre os dias 22 de janeiro e 2 de fevereiro. Na mostra principal, será exibido "Desterro", primeiro longa de ficção da documentarista Maria Clara Escobar, de "Os dias com ele". A trama do novo filme trata de uma jovem mãe em crise conjugar que decide deixar para trás o marido e o filho de cinco anos. Outras nove produções disputam a Tiger Competition, que premia a vencedora com R$ 180 mil.

Na mostra Big Screen competem outros dois filmes com DNA verde e amarelo. Escalado para abrir o festival, "Mosquito", uma coprodução de Brasil, Portugal e França, conta a trajetória de um rapaz português que sonha combater os alemães durante a Primeira Guerra e é enviado para as trincheiras de Moçambique, então colônia lusitana. A obra, que tem direção de João Nuno Pinto, é uma produção da Leopardo Filmes em coprodução da Alfama Films Production, APM Produções, Mapiko Filmes e da brasileira Delicatessen Filmes.

Berlim 2020: festival seleciona três filmes brasileiros

Já "Um animal amarelo" tem roteiro e direção de Felipe Bragança. Coprodução de Brasil e Portugal, o filme aborda a saga de Fernando (Higor Campagnaro), cineasta brasileiro em crise financeira que decide abandonar o país e partir para Moçambique.

Outras obras brasileiras de destaque serão exibidas fora de competição, como "Bacurau", de Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, e "A febre", da carioca Maya Da-Rin, exibido na edição deste ano do Festival do Rio.