Quatro membros de equipe de combate ao ebola são mortos na RDC

(Arquivo) Mumbere Mahamba recebendo sua primeira injeção da nova vacina contra o Ebola nas instalações de MSF na capital do Kivu do Norte, em Goma

Quatro membros de uma equipe de saúde de combate ao ebola foram mortos e cinco ficaram feridos em dois ataques armados no leste da República Democrática do Congo, informou a Organização Mundial de Saúde (OMS) nesta quinta-feira.

Uma pessoa que trabalha para o ministério da Saúde e dois motoristas foram mortos em um ataque a uma base onde a equipe de resposta ao ebola vive em Biakato, província de Ituri, segundo um comunicado da OMS.

Um policial congolês, que trabalhava para autoridades sanitárias e tinha como missão proteger as instalações anti-ebola, morreu em um outro ataque contra um escritório de coordenação da resposta anti-ebola em Mangina, na mesma província de Ituri.

Os ataques não foram reivindicados.

"Nenhum agente da OMS figura entre os mortos, mas um deles ficou ferido", acrescentou a organização. "Os outros feridos são principalmente agentes de segurança (congoleses)", afirmou.

"A OMS e seus parceiros estão cuidando dos feridos e protegendo outros membros da equipe", acrescentou a OMS na RDC.

O primeiro ataque de Biakato aconteceu a dois quilômetros de uma base temporária da ONU no Congo. Um Capacete Azul da Tanzânia foi ferido ao se aproximar para ajudar no combate ao ataque, segundo a ONU.

"Nossas bases de Biakato e Mangina foram atacadas de maneira quase simultânea à meia-noite", contou à AFP o chefe congolês da resposta anti-ebola, o médico Jean-Jacques Muyembe.

A OMS é parceira do ministério da Saúde na luta contra a epidemia de ebola, que matou 2.199 pessoas desde agosto de 2018.