A três meses dos Jogos Olímpicos, governo federal estuda vacinação de atletas brasileiros

Dimitrius Dantas
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — Uma articulação entre o Ministério da Defesa e o Ministério da Saúde poderá permitir que os atletas brasileiros que irão participar dos Jogos Olímpicos de Tóquio entre julho e agosto sejam vacinados contra a Covid-19.

O Comitê Olímpico do Brasil foi procurado pelo Ministério da Defesa e pelo Comitê Olímpico Internacional para definir os detalhes da vacinação da delegação olímpica e paralímpica. Segundo o COB, as conversas ainda estão em curso para definir o caminho a ser seguido, seguindo as normas do Plano Nacional de Imunização.

Segundo o Ministério da Defesa, a pasta ainda está em tratativas com o Ministéiro da Saúde. Caso seja autorizada a vacinação, a lista completa da delegação será definida pelo COB.

Nesta sexta-feira, o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, decretou estado de emergência em Tóqui e outras três prefeituras para conter a propagação da Covid-19 a menos de três meses para os Jogos.

Alguns atletas brasileiros que vivem no exterior, entretanto, já foram vacinados. Entre os já vacinados estão a atacante Marta, o cavaleiro Rodrigo Pessoa, a skatista Letícia Bufoni, a tenista luisa Stefani, o atleta do levantamento de peso Fernando Reis. Todos eles moram nos Estados Unidos.

Os técnicos das seleções de vôlei, José Roberto Guimarães e Renan Dal Zotto, se vacinaram porque fazem parte de grupos prioritários (por idade e por ser profissional de Educação Física). Há ainda membros das comissões técnicas, médicas e Paulo Wanderley, de 70 anos, presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB).