Três pescadores estão desaparecidos após saírem para alto-mar na Praia da Barra

Carolina Callegari
·2 minuto de leitura
Foto: Arquivo Pessoal / Reprodução

Três pescadores estão desaparecidos após entrarem em alto-mar na Praia da Barra, na Zona Oeste do Rio. Os amigos Everaldo Rodrigues, conhecido como Cica, Pablo Henrique Santos e Marcelo Silva embarcaram na Praia do Amor, ponto comum de partida para as pescarias, no início da manhã de quarta-feira, dia 13. As famílias dos pescadores dizem que desde as 15h não conseguem contato com a embarcação.

De acordo com Eraldo Barboza, pai de Pablo, o filho e os amigos têm experiência em pesca e saem do mesmo local pelo menos três vezes na semana. Na rotina, eles entram no mar antes das 6h da manhã, percorrem 40 milhas, até o ponto de pesca, e começam o trajeto de retorno por volta das 15h. Às 16h, é de costume que estejam em terra firme, sempre antes de anoitecer.

Na quarta-feira, o último contato feito com a embarcação foi por volta das 15h, através de um amigo, também pescador.

— O compadre do Pablo falou com ele às 15h. E parou de funcionar o rádio. Pode ter sido o motor, ter dado uma falha, não sei. O Compadre dele voltou para o barco, foi atrás, mas não encontrou. Ele falou que o mar estava manso, estava só com correnteza — conta Eraldo.

Segundo as famílias, na manhã desta quinta-feira, dia 14, a Marinha do Brasil iniciou as buscas pela embarcação. Por meio de nota, o Comando do 1° Distrito Naval (Com1ºDN) informou ter sido comunicado, na madrugada, "do desaparecimento da embarcação “Ressaca I” a aproximadamente 60km da orla da Barra da Tijuca".

O Salvamar Sueste, responsável por Operações de Busca e Salvamento (SAR) no mar, faz buscas e emitiu um aviso por rádio para as embarcações próximas. De acordo com a Marinha, as condições meteorológicas indicavam possibilidade de ventos fortes na região até as 9h de quarta-feira, mas não havia registro de existência de condições adversas para a navegação durante esta madrugada".

Desde a noite, pescadores também estariam mobilizados à procura dos amigos, disse Eraldo:

— Os amigos com barcos entraram (no mar) de madrugada. Tem uns grupos de pescadores que vão para o mar e estão buscando também, ajudando.

Edileuza Rodrigues Martins, irmã de Everaldo, conta que os amigos têm o hábito de voltarem para casa no fim da tarde. Eles vão para alto mar para pescar com arpão. Ela conta que o irmão se preocupa com a família e que a falta de notícias tem preocupado a todos.

— Eu perdi minha mãe há cinco meses com Covid. E meu irmão Everaldo fica toda hora ligando, preocupado com a filha que tá lá em casa, com meu pai. Eu não acredito que possa ter sido brincadeira não. Isso foi sério mesmo — disse Edileuza.