Três vítimas de feminicídio serão sepultadas nesta quarta-feira no estado do Rio

Três vítimas de feminicídio no estado do Rio de Janeiro serão sepultadas. Os casos não têm relação, a não ser pela motivação, e aconteceram em municípios distintos. O recorte mostra a escalada de violência, com números em crescimento e registro, em apenas duas semanas, de pelo menos cinco mulheres mortas por esse crime na Região Metropolitana do Rio. O corpo da jovem Ysabelli Cristina de Souza, de 18 anos, será enterrado no Cemitério São Miguel, em São Gonçalo. A jovem estava desaparecida desde o último dia 19 e foi encontrada morta na Estrada dos Cajueiros, em Itaipuaçu, subdistrito de Maricá.

Chefe da Delegacia da Mulher é investigado: Companheira acusa agente de atacá-la com tapas

Crime em casa contra ex: Homem é preso em flagrante por tentativa de feminicídio contra ex-companheira e cárcere privado

Um funcionário do Serviços de Obras de Maricá (Somar) encontrou o corpode Ysabelli. Como ela estava sem as roupas, a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (DHNSGI) vai investigar como feminicídio.

Já às 16h, no Cemitério do Catumbi, na Zona Norte do Rio, será enterrado o corpo da cabeleireira Sarah Jersey Nazareth Pereira, de 23 anos. Ela foi assassinada a tiros pelo ex-marido em casa, no Centro do Rio, nessa terça-feira. O acusado, Queven da Silva e Silva, de 26 anos, confessou o crime após ser preso horas depois de ter fugido do local do crime. Ele foi encontrado por agentes do Bairro Presente amarrado e, de acordo com a PM, seria morto por traficantes do Morro dos Prazeres, em Santa Teresa.

Violência em casa: Acusado de estuprar e matar menina de 11 anos é conhecido da família

Na Baixada Fluminense: Homem é preso em flagrante por tentativa de feminicídio contra ex-companheira e cárcere privado

Também esta tarde, no Cemitério de São Francisco, em Niterói, será enterrado o corpo de Letícia Dias. Ela foi morta a facadas em Piratininga, em Niterói, pelo ex-companheiro. O suspeito está foragido.

Dados do Formulário Nacional de Avaliação de Risco desenvolvido pelo Conselho Nacional de Justiça e pelo Conselho Nacional do Ministério Público mostram que entre as principais questões analisadas para medir o grau do risco de feminicídio para mulheres que vivem em situações de violência doméstica estão controle excessivo, escalada da violência e vulnerabilidade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos