Trabalhadores da Mercedes-Benz em São Bernardo aprovam acordo que inclui PDV

Trabalhadores da Mercedes-Benz de São Bernardo do Campo (SP) aprovaram neste sábado uma proposta negociada com a empresa que garante a redução do impacto da terceirização na unidade e inclui um Plano de Demissão Voluntária (PDV). A decisão consta em uma nota do sindicato.

Anfavea: Terceirização da produção que causou demissões na Mercedes não deve se repetir em outras montadoras

De carros a ônibus: Frota elétrica acelera no país e vendas devem crescer 33% neste ano

Segundo a entidade, o acordo assegura a realocação e a requalificação de trabalhadores e o "futuro" da fábrica no ABC paulista, onde havia risco de demissão de milhares.

Em setembro, a Mercedes anunciou uma reestruturação na unidade de São Bernardo do Campo, com terceirização de parte da produção. Na época, a empresa havia informado que pretendia demitir 2,2 mil trabalhadores das áreas de logística, manutenção, ferramentaria, laboratórios, fabricação de eixos e transmissões de caminhões. Outros 1,4 mil trabalhadores não teriam os contratos temporários renovados.

Renault: Empresa vai separar negócio de veículos elétricos e terá parceria com chinesa para carros a combustão

Para garantir a realocação será aberto um PDV para os metalúrgicos na fábrica. Estão aptos trabalhadores com no mínimo três anos de empresa. O plano possui uma parte fixa de 12 salários e uma parte variável, com um salário por ano trabalhado, até o teto de 22 salários. Para trabalhadores já aposentados, haverá ainda um bônus de dois salários.

A negociação também assegurou a permanência do convênio médico até dezembro de 2023, independente da data de saída, e a permanência do vale-alimentação por 12 meses. Haverá um calendário do processo, previsto para o primeiro semestre do próximo ano.

Durante a assembleia, o diretor-executivo dos Metalúrgicos do ABC e CSE na Mercedes, Aroaldo Oliveira da Silva, disse que o principal objetivo na construção do acordo foi garantir o futuro da fábrica e os empregos.

" O principal objetivo na construção do acordo foi garantir o futuro da fábrica e dos empregos, com planejamento e previsibilidade para as nossas vidas. Queremos discutir o futuro, quais os próximos veículos a serem produzidos e o processo produtivo", destaca o comunicado do sindicato.

Pelo acordo, os trabalhadores com contrato por prazo determinado terão prioridade de contratação assim que houver a retomada do crescimento da produção.