Trabalhistas: premiê britânico quer vender sistema de saúde aos EUA

O líder do Partido Trabalhista de oposição, Jeremy Corbyn, participa de uma coletiva de imprensa em Londres

A oposição trabalhista acusou nesta quarta-feira os conservadores de conduzir "negociações secretas" com os Estados Unidos para vender às empresas americanas o sistema de saúde britânico gratuito, como parte de um futuro acordo comercial pós-Brexit.

A duas semanas das eleições legislativas, o líder trabalhista Jeremy Corbyn agitou 450 páginas de documentos que, segundo ele, trazem revelações de seis sessões de negociação desde 2017, em Washington e Londres, entre representantes britânicos e americanos sobre suas relações comerciais após a saída do Reino Unido da União Europeia.

"Esses documentos confirmam que os Estados Unidos exigem que o serviço nacional de saúde (NHS) esteja na mesa de negociações", afirmou.

"Agora temos evidências de que, com Boris Johnson, o NHS está sobre a mesa e estará à venda".

"Trata-se de negociações secretas para um acordo com Donald Trump após o Brexit, um acordo que definirá o futuro do nosso país", acrescentou.

"Essas eleições são agora uma luta pela sobrevivência de nosso serviço nacional de saúde como serviço público, gratuito para todos", insistiu Corbyn.

Boris Johnson garante que a saída da União Europeia, prevista para 31 de janeiro após três adiamentos, permitirá ao Reino Unido recuperar o controle de sua política comercial.

O presidente americano Donald Trump prometeu várias vezes a ele um "magnífico acordo" após o Brexit, embora tenha dito recentemente que seria difícil sob o acordo de divórcio de Boris Johnson com a UE.

No final de outubro, ele considerou "ridículas" as acusações segundo as quais os Estados Unidos queriam tirar proveito de um novo acordo comercial para colocar as mãos no sistema de saúde.

Donald Trump é esperado terça e quarta-feira em Londres para uma reunião da Otan.

Em desvantagem nas pesquisas, criticado por sua indecisão sobre o Brexit, o Partido Trabalhista está fazendo campanha com um programa de extrema esquerda com nacionalizações e gastos maciços, especialmente no NHS.