Tradução em inglês na carteira de identidade incomoda 'guardiões da língua' na França

·2 min de leitura

GUARULHOS, SP (FOLHAPRESS) - Uma atualização específica promovida na carteira de identidade na França causou furor na Academia Francesa. Composta por 40 membros, a instituição --uma das mais antigas do país-- criticou o fato de o documento reformulado ser bilíngue, com traduções para o inglês em campos como nome e data de nascimento.

A presença do inglês fere a Constituição, segundo a qual a língua nacional é o francês, disse ao jornal Le Figaro a historiadora Helene Carrere d'Encausse, 92, eleita imortal em 1990 e secretária permanente da Academia Francesa desde 1999. Os membros da instituição pediram ao premiê Jean Castex que suspenda o documento e disseram que levarão a questão aos tribunais caso nenhuma medida seja tomada.

A modernização da carteira de identidade entrou gradativamente em vigor em março do ano passado e passou a valer para todo o país em agosto. O último modelo vigente era de 1995. Podem obter a nova versão aqueles que fizerem o documento pela primeira vez ou, então, o renovarem.

Segundo o Ministério do Interior francês, as mudanças foram necessárias para mitigar crimes envolvendo o documento --fraudes de identidade corresponderam a 45 mil crimes registrados pela política em 2019 (1,19% do total), diz a pasta.

O caráter bilíngue, explicou o ministério, deve-se ao fato de a carteira de identidade ser aceita não apenas como documento nacional, mas também como documento de viagem quando cidadãos franceses se dirigem para outro país-membro da União Europeia (UE). A tradução para o idioma facilitaria a compreensão nas fronteiras.

Reclamando que a voz da Academia Francesa não é mais ouvida no debate público, a instituição contratou advogados para escrever ao premiê Castex. "Quem decidiu colocar o francês e o inglês em pé de igualdade neste documento?", indagou Helene Carrere d'Encausse, que ocupa a cadeira 14 da academia, ao Le Figaro.

A posição ecoou para outras esperas, entre elas a política --o país tem eleições presidenciais previstas para o mês de abril. Marine Le Pen, líder do partido de ultradireita Reunião Nacional, publicou mensagem em uma rede social agradecendo à Academia Francesa por defender o francês diante do que chamou de invasão contínua do inglês.

"Enquanto isso, Emmanuel Macron [presidente do país] acredita que não existe uma cultura francesa", seguiu. "É hora de eleger um presidente da República que se orgulhe de falar falar francês e da cultura francesa."

Não é incomum que os documentos de identidade contenham traduções na Europa. Na Alemanha, por exemplo, há traduções para o inglês e para o francês. Já no Reino Unido, que deixou a UE há dois anos, os passaportes oferecem traduções para o francês.

A presença do inglês no novo documento francês já havia sido alvo de outras críticas, com alguns políticos e especialistas alegando que, com isso, o governo facilitaria a predominância do inglês, quando, na verdade, deveria proteger o patrimônio linguístico francês.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos