Traficante 3N se escondeu em pelo menos seis favelas antes de ser morto em operação

Carolina Heringer

O traficante Thomas Jayson Vieira Gomes, conhecido como 3N, se escondeu em pelo menos seis favelas antes de ser localizado e morto em uma operação das polícias Civil e Militar. Desde que trocou de facção, em abril, o criminoso buscou abrigo na Vila dos Pinheiros, no Complexo da Maré; em Parada de Lucas; na Cidade Alta, em Cordovil; e no Parque Belém, em Angra dos Reis. Ex-chefe do tráfico de drogas no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, ele também passou a se esconder em duas favelas do município: Jardim Miriambi e comunidades das Almas. O criminoso foi morto nessa terça-feira em um sítio em Itaboraí.

Em maio, policiais civis fizeram uma operação na Maré para tentar prender 3N. O criminoso conseguiu escapar, mas oito suspeitos morreram na ação. A mulher de 3N, Brenda Santos, de 22 anos, acabou capturada em flagrante, acusada de associação para o tráfico.Brenda havia acabado de dar à luz e conseguiu prisão domiciliar duas semanas após ter sido presa. Ela continua em casa, monitorada por tornozeleira eletrônica.

O traficante 3N também escapou de um cerco policial no Parque Belém, em Angra dos Reis, em agosto deste ano. Policiais do Bope e do 33º BPM (Angra dos Reis) estiveram na comunidade após uma informação de que o criminoso estava na região. Seis suspeitos foram mortos na operação, mas o criminoso conseguiu fugir.

Há cerca de dois meses, 3N passou a se esconder no sítio onde foi morto. O imóvel estava sendo monitorado por policiais da Subsecretaria de Inteligência (Ssinte) da Polícia Civil. Os agentes já tinham ido até o local ao menos outras duas vezes para coletar informações que ajudassem a planejar a operação.

Na mira da polícia

Ex-chefe do tráfico no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, 3N passou a ser um dos traficantes mais procurados do Rio após ter desafiado a facção da qual fazia parte. De acordo com informações da Polícia Civil, o criminoso, antes chamado de 2N, assassinou um antigo comparsa, Schumaker Antonácio do Rosário, após descobrir que ele iria matá-lo.

Thomas Jayson descobriu que o chefe do tráfico no Complexo do Salgueiro, Antonio Ilário Ferreira, o Rabicó, havia ordenado que Schumaker o matasse. O obetivo era retomar o controle do tráfico de drogas no Salgueiro. O comando da venda de drogas estava nas mãos de 2N e Rabicó estava preso.

Após a morte de Schumaker, 2N foi considerado traidor pela facção e teve que fugir do Salgueiro. Ele passou a fazer parte de uma facção criminosa rival e contou com o apoio de alguns aliados que, junto com ele, mudaram de quadrilha. Desde então, ele adotou o apelido de 3N.

Há 13 dias, Rabicó foi solto, após mais de 11 anos atrás das grades. Ele foi beneficiado por uma decisão do STF. A soltura do traficante colocou em alerta auoridades de Segurança Pública do Rio, que temiam uma nova guerra em São Gonçalo. O receio era de que, em liberdade, Rabicó quisesse se vingar de 3N, que vinha tentando dominar o Salgueiro.