Traficantes transformaram escolas e até creches em pontos de venda de drogas na Baixada Fluminense

Rafael Nascimento de Souza
·2 minuto de leitura

Traficantes das favelas do Lixão e Vila Ideal, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, invadiram escolas e até creches — sem aulas em função da pandemia da Covid-19 — e transformaram as instituições de ensino em pontos de venda de drogas. A ocupação do crime das unidades escolares foi descoberta numa investigação da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod). Nesta sexta-feira, policiais da unidade, com apoio de outras delegacias do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), realizam a Operação Lix. Até as 6h20, 12 pessoas haviam sido presas.

— Ficou comprovado na investigação que traficantes se utilizam de creches e escolas como pontos de vendas de drogas, ao mesmo tempo que a polícia não pode chegar perto desses locais em operações por conta de algumas decisões que restringem a nossa atuação — diz o delegado Gustavo Castro, titular da Dcod.

Leia também

Durante a investigação, a Dcod descobriu que a quadrilha, além de explorar o tráfico de drogas, também roubava cargas e cometia outros roubos em geral, associando-se a criminosos especializados na prática desses crimes. Os ladrões recebiam armamentos e eram autorizados a fazerem o transbordo das mercadorias roubadas no interior dessas comunidades, em troca de um percentual sobre o produto do crime.

Segundo a Dcod, o chefe da quadrilha é Charles Silva Batista, também conhecido como Charles do Lixão, Coroa, Charles da Vila Ideal ou Charles Brown. O traficante está preso na Penitenciária Laércio da Costa Pelegrino (Bangu 1). Apesar disso, de acordo com a polícia, ele continua praticando crimes, inclusive nomeando os gerentes gerais das comunidades após a morte de seu filho Charles Jackson Neres Batista, o Charlinho, durante um confronto com a Polícia Militar em março de 2019.

Os indiciados responderão pelos crimes de organização criminosa, tráfico de drogas, roubo majorado, porte ilegal de armas, entre outros crimes, cujas penas somadas ultrapassam 30 anos de prisão.