Transição faz reunião sobre divulgação de dados após saia justa com Janones

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O GT (Grupo de Trabalho) de Comunicação Social da transição de governo fez uma reunião para esclarecer quais informações recebidas pela transição de governo podem ser divulgadas e organizar um fluxo de divulgação desses dados.

O objetivo é evitar saia justa com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), que até o momento vem colaborando com o compartilhamento do material necessário à futura gestão.

O encontro aconteceu após o deputado federal André Janones (Avante-MG) ter divulgado que o instituto Paraná Pesquisas ganhou um contrato com a Secom (Secretaria de Comunicação) da Presidência no valor de R$ 13 milhões. "Irão para a cadeia junto com Bolsonaro", escreveu em uma rede social.

O episódio gerou desconforto porque a informação estava imprecisa —o valor seria bem menor, R$ 1,6 milhão. Na sexta-feira (18) a Secom soltou nota para esclarecer também que a empresa participou de processo licitatório e que os trâmites estavam todos dentro da legalidade.

"Infelizmente, a difusão de informações distorcidas, enganadas e enganadoras tem se tornado uma prática comum de um dos integrantes da área temática de comunicação social da equipe de transição, o qual, de forma leviana, talvez por falta de conhecimento, provoca alardes infundados", diz o documento.

Nesta segunda-feira (21), as reuniões técnicas dominaram os trabalhos da transição no prédio do CCBB em Brasília. Além do encontro do GT de Comunicação Social, houve os de Comunicações, Cidades, Justiça e Segurança Pública e Direitos Humanos.

O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) eleito cumpre agendas em São Paulo e o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) descansa após ter realizado um procedimento na laringe.