Transmissão do coronavírus está mais rápida no Brasil, aponta estudo

·4 minuto de leitura
Trem lotado no ramal Japeri, no Rio.

Um estudo divulgado ontem pelo Imperial College de Londres mostrou que a transmissão do coronavírus voltou a ganhar força no Brasil. Já são 14 semanas em que o índice de contágio (Rt) — uma métrica da taxa de reprodução viral, que mostra a velocidade de sua disseminação — segue acima de 1 no país.

Há duas semanas, o índice era 1,03, ou seja, cada cem pessoas com Covid-19 levariam o vírus para outras 103. Depois, passou para 1,01, mas, agora subiu para 1,08. Este acúmulo é exponencial: cem pessoas infectam 108, que levam o patógeno para 116,6, e assim por diante.

Leia também

Entre os 25 países analisados pelo instituto britânico com Rt acima de 1, quase metade (13) conseguiu controlar o contágio nos últimos dois meses. Não foi o caso do Brasil, que ontem bateu a marca de 2,5 milhões de casos e 90 mil óbitos, segundo balanço dos veículos de imprensa.

O boletim registrou, em 24 horas, 1.554 novos óbitos e 70.869 novos casos de Covid-19. Os dados são divulgados pelo consórcio formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo, que reúne informações das secretarias estaduais de Saúde.

O número de óbitos foi o maior registrado em apenas um dia, ultrapassando o visto em 4 de junho (1.470). O novo recorde pode estar associado a um acúmulo de casos no estado de São Paulo, que ontem, além dos dados do dia, também divulgou os de anteontem.

— O índice de reprodução mostra que nenhuma localidade do país, mesmo que atualmente tenha situação considerada estável, está a salvo de novos surtos, já que a população se desloca por todo o território — alerta Silvio Ferreira, físico da Universidade Federal de Viçosa e especialista em modelagem para predição de riscos de contaminação. — O índice de contágio não é a medida perfeita porque a pandemia tem um perfil diferente em cada localidade, mas mostra que, enquanto não houver isolamento social, viveremos uma situação fora de controle.

Ferreira avalia que não há perspectivas de que o contágio do coronavírus seja reduzido nas próximas semanas. E critica as grandes cidades, como o Rio de Janeiro, pelo relaxamento demasiado da quarentena.

Leonardo Weissmann, infectologista conselheiro da Sociedade Brasileira de Infectologia, avalia que a taxa de reprodução do coronavírus é catapultada pelas proporções continentais do país e pela falta de lideranças que poderiam estabelecer diretrizes para a população na área da saúde.

— A interpretação dos dados deve ser feita por regiões e, dentro de cada uma delas, há particularidades. Devemos considerar especialmente os altos índices de incidência e mortalidade nas áreas mais carentes — alerta Weissmann. — As autoridades parecem não falar a mesma língua, e isso deixa o país sem um norte.

Questionado sobre os próximos passos da pandemia no Brasil, Weissmann assinala que o país ainda tem chance de tomar o controle do coronavírus e diminuir sua disseminação.

— Não sabemos com precisão para onde vai o coronavírus, mas temos condições de reverter a situação, desde que todos se unam pelo mesmo objetivo e deixem as divergências de lado.

Doutor em Epidemiologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Paulo Petry lembra que o coronavírus “entrou no Brasil de avião”, com a chegada de viajantes a destinos turísticos, como Rio, São Paulo e Fortaleza, e agora “vai de carro” para o interior.

— Não adianta ter uma taxa de contágio do vírus estagnada nas capitais se a doença migra para o interior, onde a densidade populacional é baixa, mas ele pode se manifestar em muitas cidades — explica. — A transmissão da Covid-19 também é alta porque o vírus não está associado a uma condição climática. Sua taxa de reprodução atual é elevada no Rio Grande do Sul, onde a temperatura esta semana ficou abaixo de 5 graus Celsius, e também tem provocado muitas contaminações em Roraima, um estado na zona tropical.

Uma prova da disseminação do patógeno pelo interior do país é que, em dois estados, Mato Grosso do Sul e Tocantins, apenas uma cidade ainda não havia registrado casos de coronavírus até anteontem.

O Instituto de Tecnologia do Paraná assinou nesta semana um acordo com a farmacêutica chinesa Sinopharm para o preparo de uma potencial vacina para a Covid-19 no Brasil. Os responsáveis pelos ensaios clínicos pretendem enviar, dentro de 15 dias, um pedido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária para realizar os estudos de imunização.

Esta será a quarta vacina a entrar em fase de testes humanos no Brasil. Além dela, estão sendo testadas doses desenvolvidas pela Universidade de Oxford (Reino Unido) e pelas empresas Sinovac Biotech (China) e Pfizer (EUA).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos