Transplante fecal é recomendado no Reino Unido para tratar infecções intestinais

Clostridium difficile
A bactéria Clostridium difficile costuma resistir aos antibióticos disponíveis

O Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (Nice, na sigla em inglês) do Reino Unido acaba de recomendar o transplante de fezes como tratamento contra infecções intestinais.

Por ora, o método está indicado para quem teve dois ou mais quadros provocados pela bactéria Clostridium difficile, um micro-organismo que não é facilmente derrotado pelos antibióticos disponíveis atualmente.

Essa bactéria também pode causar uma infecção quando ocorre um desequilíbrio da microbiota intestinal — o conjunto de seres microscópicos que habitam o sistema digestivo e são muito importantes para nossa saúde.

E um dos fatores que gera esse desbalanço intestinal vantajoso para a C. difficile é justamente o uso de antibióticos.

Em resumo, o transplante fecal consiste em transferir para o organismo de um paciente as bactérias intestinais "do bem" que são encontradas nas fezes de um doador saudável.

O transplante pode acontecer por meio de uma endoscopia (em que os equipamentos e a amostra bacteriana são introduzidos pelo nariz ou pela boca), pela colonoscopia (quando o processo se inicia pelo ânus) ou por meio de pílulas preparadas em laboratório.

Ensaios clínicos publicados nos últimos anos mostram que essa terapia contra a C. difficile é mais eficaz e barata em comparação com os antibióticos, aos quais essa "superbactéria" pode se tornar resistente.

Por ora, o transplante fecal ainda é encarado como um método experimental no Brasil, usado apenas quando as outras opções terapêuticas não funcionaram como o esperado.

Sintomas comuns de uma infecção causada pelo C. difficile

  • Diarreia

  • Febre

  • Perda de apetite

  • Náusea

  • Dor de estômago

O Nice estima que entre 450 e 500 pessoas poderiam receber os transplantes fecais na Inglaterra, economizando milhares de libras ao reduzir a prescrição de antibióticos.

Um estudo feito em 2018 no Brasil estimou que, nas regiões Sul e Sudeste, são detectados por dia três casos de infecção por C. difficile a cada mil pacientes hospitalizados.

Mark Chapman, diretor de tecnologia médica do Nice, disse que "o uso deste tratamento também ajudará a reduzir a dependência de antibióticos".

"E isso, por sua vez, permite diminuir os riscos de resistência antimicrobiana", declarou.

- Este texto foi publicado originalmente em https://www.bbc.com/portuguese/geral-62736711

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!