Transportadora é condenada a pagar R$ 200 mil a família de motorista que morreu de Covid-19

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Motorista não resistiu à Covid-19 e deixou esposa e filha (AP Photo/Silvia Izquierdo)
Motorista não resistiu à Covid-19 e deixou esposa e filha (AP Photo/Silvia Izquierdo)
  • Família do motorista afirmou que ele foi contaminado enquanto trabalhava

  • Transportadora garantiu que caso não poderia ser enquadrado como acidente de trabalho

  • Justiça de Minas, porém, avaliou as condições fornecidas pela empresa e ordenou o pagamento de indenização

A Justiça do Trabalho em Minas Gerais reconheceu a morte de um motorista de uma transportadora por Covid-19 como acidente de trabalho e ordenou que a empresa pagasse uma indenização de R$ 200 mil à família da vítima.

O caso aconteceu em Três Corações, onde o juiz Luciano José de Oliveira aceitou a alegação da viúva e da filha do motorista de que ele foi contaminado pelo vírus enquanto exercia sua função. Ele chegou a ser internado, mas não resistiu às complicações da doença.

Leia também

Segundo a família, a vítima, que não teve a identidade revelada, começou a sentir os primeiros sintomas da Covid-19 em 15 de maio do ano passado, após uma viagem de dez dias a trabalho de Extrema-MG ao Recife, passando por Maceió.

A transportadora argumentou que o ocorrido não poderia ser enquadrado como acidente de trabalho e garantiu que sempre forneceu os itens necessários para proteção, além de cumprir os protocolos de segurança sanitária.

Motorista foi mais uma vítima da Covid-19 no Brasil (Gustavo Basso/NurPhoto via Getty Images)
Motorista foi mais uma vítima da Covid-19 no Brasil (Gustavo Basso/NurPhoto via Getty Images)

A empresa, porém, não informou a quantidade de álcool gel e de máscaras dados aos funcionários. Além disso, o juiz considerou que o motorista ficou suscetível à contaminação diante da estrutura precária nos pontos de parada, nos pátios de carregamento e nas filiais da transportadora.

Também foram levadas em consideração as provas testemunhais, que relataram que o caminhão da vítima poderia ser conduzido por outras pessoas nos pátios de carga e descarga, o que, segundo Luciano José de Oliveira, aumentou o risco de contaminação.

Empresa entra com recurso

A sentença ordenou que a transportadora pague indenizações de R$ 100 mil por danos morais à viúva e à filha do motorista, totalizando os R$ 200 mil, além de uma pensão por danos materiais a ambas.

A empresa informou que já entrou com recurso junto ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Minas Gerais e aguarda um novo julgamento.