Transporte por aplicativo, call center, fronteiras abertas... governos divergem sobre o que é serviço essencial

Por determinação do governo estadual, somente profissionais de serviços essenciais podem embarcar em transportes intermunicipais; PMs fiscalizam os documentos

As restrições para conter a propagação do novo coronavírus têm mexido com a rotina da população, em especial no que diz respeito ao que funciona ou não. A confusão ganha ainda mais força quando determinações vindas do governo federal e do governo estadual divergem sobre quais são, afinal, serviços essenciais em tempo de Covid-19.

Esta segunda-feira foi o primeiro dia útil com bloqueios nos transportes públicos interestaduais no Rio, como barcas, trem, metrô e em rodovias, uma das medidas adotadas pelo governador Wilson Witzel nos últimos dias. Enquanto isso, em decreto publicado na sexta-feira pelo presidente Jair Bolsonaro, serviços como call center e transporte por aplicativo estão listados entre os essenciais. O transporte intermunicipal, interestadual e internacional de passageiros também não sofreu cortes, mais um ponto conflitante entre as determinações.

Abaixo, veja o que foi definido pelo governo estadual e pelo federal.