Tratamento testado em Israel ajudou 100% dos pacientes com coronavírus, mostram dados preliminares

Entre os seis pacientes testados, três deixaram os ventiladores (Foto: Getty Creative)

Seis pacientes com coronavírus foram tratados com um produto israelense e tiveram melhora expressiva. Todos os casos eram considerados de alto risco. O tratamento celular utilizado é baseado no uso de placenta.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Os dados preliminares são da Pluristem, empresa que produz o medicamento.

Os pacientes foram tratados em três centros médicos diferente ao longo de uma semana. Todos tinham dificuldades respiratórias devido ao Covid-19. Quatro deles também tinham falência de outros órgãos do sistema cardiovascular ou do rim.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Segundo informações do jornal israelense The Jerusalem Post, com o tratamento, quatro entre os seis pacientes mostraram melhora nos parâmetros respiratórios e três pessoas deixaram de usar ventiladores.

O presidente da Pluristem, Yahy Yanay, explica que as células PLX, usadas no tratamento, têm propriedades imunológicas e ajudam esse sistema a se regularizar. O uso delas pode reverter uma hiperatividade do sistema imunológico. Isso ajudaria a reduzir sintomas fatais como a pneumonia.

Leia também

Estudos anteriores mostram que as células PLX tiveram efeitos significativos em estudos com animais com hipertensão pulmonar, gastroenterite, problemas agudos no rim e outras doenças.

Segundo o presidente, a Pluristem já está em contato com agências reguladoras nos Estados Unidos e na Europa para definir a estratégia no combate a Covid-19.