Tratores e caminhões bloqueiam estradas na Índia com agricultores ampliando protestos

Adnan Abidi e Jatindra Dash
·3 minuto de leitura

Por Adnan Abidi e Jatindra Dash

Kundli, Índia (Reuters) - Milhares de agricultores ao redor da Índia bloquearam estradas neste sábado com tendas improvisadas, caminhões, tratores e pedras para pressionar o governo a recuar em reformas sobre o setor agrícola que motivaram meses de protestos.

Embora os protestos iniciais tenham sido impulsionados por cultivadores de arroz e trigo do norte da Índia que acamparam nos arredores de Nova Délhi, manifestações se espalharam pelo país, especialmente em estados não governados pelo partido do primeiro-ministro Narendra Modi.

O governo federal ofereceu algumas concessões aos agricultores, mas se recusa a revogar três leis passadas ano passado, que defende serem cruciais para trazer novos investimentos ao setor, que representa quase 15% da economia de 2,9 trilhões de dólares da Índia e aproximadamente metade da sua força de trabalho.

Os agricultores temem que as reformas os deixarão à mercê do poder de grandes corporações, uma vez que está previsto o encerramento gradual de um programa atual de compras de produtos agrícolas asseguradas pelo governo.

O bloqueio das estradas de três horas neste sábado, chamado “chakka jam”, começou por volta do meio-dia ao redor do país, exceto em Nova Délhi e alguns estados vizinhos. Os protestos foram majoritariamente realizados em estadas federais e estaduais, mas sem causar grandes transtornos na maioria das cidades.

Avik Saha, secretário do Comitê de Coordenação Kisan Sangharsh, uma organização que reúne grupos de fazendeiros, afirmou que cerca de 10.000 locais ao redor da índia foram bloqueados por três horas.

“O chakka jam claramente mostrou ao governo que este é um protesto de toda a Índia”, afirmou Saha, em um discurso em vídeo transmitido ao vivo pela plataforma de streaming Periscope.

Em uma estrada próxima à capital, alguns agricultores fumavam narguilé enquanto músicas tocavam nos alto-falantes.

Eles ocuparam uma estrada nos Estados de Odisha, no leste, e Karnataka, no sul, com bandeiras e faixas protestando contra as leis. Alguns carregavam cartazes pedindo que o governo não os trate como inimigos.

“Agricultores ao redor do país estão unidos contra isso e continuaremos unidos até que as leis sejam revogadas”, disse Dilbag Singh, agricultor de 65 anos que protestava em Kundli, perto da fronteira de Délhi.

“CONTER-SE AO MÁXIMO”

Dezenas de milhares de agricultores estão enfrentando o inverno de Nova Délhi ao dormir a céu aberto há meses nas estradas federais em protesto contra as medidas. Os atos têm sido majoritariamente pacíficos, mas uma manifestação com tratores em 26 de janeiro gerou tumulto quando alguns agricultores entraram em conflito com a polícia.

Desde então, as autoridades derrubaram a internet móvel em partes da capital e colocaram barricadas em estradas de fronteira para impedir que os manifestantes entrem na cidade novamente.

“Os direitos de reunião pacífica e expressão têm que ser protegidos online e offline”, afirmou o gabinete do Alto Comissário das Nações Unidos para Direitos Humanos no Twitter, pedindo que autoridades e manifestantes “se contenham ao máximo”.

“É crucial encontrar soluções justas com o devido respeito aos #DireitosHumanos para todos”.

O assunto tem atraído atenção internacional, com celebridades como a cantora Rihanna e a ativista ambiental Greta Thunberg anunciando apoio aos agricultores. Os Estados Unidos também pediram que a Índia retome negociações com a categoria.

(Reportagem de Adnan Abidi em Kundli e Jatindra Dash em Bhubaneshwar; reportagem adicional e texto de Abhirup Roy)