Travesti de 62 é assassinada a pauladas na Bahia

Reprodução

Uma travesti de 62 anos conhecida como "Rosinha do Beco" foi morta a pauladas na última sexta-feira (31) em Seabra, cidade da região da Chapada Diamantina, na Bahia.

Rosinha, cujo nome de batismo é Domingos Bispo de Souza, foi morta dentro da própria casa, que foi incendiada após o crime. O principal suspeito é um adolescente de 15 anos.

Leia também

Segundo a polícia, imagens de câmeras de segurança mostram ele caminhando em direção à casa de Rosinha momentos antes do incêndio. Dentro da casa, a polícia encontrou um porrete sujo de sangue.

A vítima, que teve o corpo carbonizado pelo incêndio, tinha afundamento no crânio. Foragido desde o dia do assassinato, o adolescente está sendo procurado pela Polícia Civil da Bahia. Ainda não há detalhes sobre as motivações do crime.

A morte de Rosinha gerou comoção entre os moradores de Seabra. Conhecida na cidade por seu bom humor e jeito brincalhão, Rosinha trabalhava como feirante e costumava gravar vídeos divertidos publicados em redes sociais.

A Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros, que acompanha casos de discriminação no país, classificou o crime como homofobia e afirmou que este é "um reflexo da cultura de preconceito que ganha força no Brasil".

ASSASSINATOS DE LGBTs

O Brasil registrou neste ano 141 mortes de pessoas LGBT, segundo relatório produzido pelo GGB (Grupo Gay da Bahia) -mais de uma morte por dia. O dado deve manter o país entre os que mais matam LGBTs no mundo, seguindo a tendência de anos anteriores.

Em 2018, no mesmo período, o número de mortes registrado pelo GGB foi de 140. Ainda que seja um número alto, a estabilização contraria a expectativa de que o volume de mortes dessa população fosse aumentar em função de uma legitimação do discurso homofóbico que permeou a onda de intolerância durante o período eleitoral -culminando na eleição de Jair Bolsonaro (PSL) e do aumento de uma bancada conservadora no Congresso.

Da FOLHAPRESS