TRE diz que eleições em São Paulo foram marcadas por normalidade

Logo Agência Brasil
Logo Agência Brasil

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), Paulo Galizia, disse, no fim da tarde de hoje (30), que as eleições em segundo turno para a Presidência da República e governador de São Paulo transcorreram dentro da normalidade em todo o estado. Segundo ele, o TRE-SP não recebeu denúncias de bloqueios em estradas ou de operações policiais para impedir ou atrasar o voto de eleitores.

"Tudo ocorreu dentro da normalidade, do esperado", afirmou Galizia, durante entrevista. "Em São Paulo, não houve nenhuma operação desse tipo. Não recebemos nenhuma denúncia. E eu desconheço qualquer operação da Polícia Rodoviária Federal em São Paulo. Posso assegurar que não aconteceu [em São Paulo]", destacou.

Notícias relacionadas:

Segundo ele, apenas 11 seções eleitorais do estado apresentaram algum atraso hoje e devem encerrar o trabalho após as 17h. "O fluxo de votação foi muito mais rápido do que no primeiro turno, seja porque os eleitores já estão acostumados a fazer uso da biometria, seja porque o número de candidatos no segundo turno foi inferior", explicou.

Chuvas

Segundo Galizia, as fortes chuvas que ocorreram ontem no estado provocaram falta de energia em 35 cidades, mas isso não gerou problemas na votação, porque as urnas eletrônicas contam com bateria que fazem funcionar por um período de até oito horas, sem energia. "Isso não interferiu em absolutamente nada porque as concessionárias [de energia] fizeram reparo durante o dia e, nesse período que estava sem luz, as urnas têm baterias [que permitem] de, no mínimo, oito horas de funcionamento", acentuou.

Para o presidente do tribunal, poucas intercorrências foram registradas hoje. Entre elas, algumas discussões entre mesários e eleitores. Também houve o caso de pessoas que fotografaram as urnas, o que é crime eleitoral. Galizia disse que o TRE-SP está analisando as imagens que os eleitores postaram das urnas nas redes sociais.

"Enfrentamos algumas situações, muito pontuais, em que alguns eleitores tiraram foto de dentro da cabine. Vamos apurar isso. A Polícia Federal tem condição de saber de que aparelho isso [a foto] surgiu e essa pessoa vai ser punida", adiantou.

Até o último balanço divulgado pelo TRE, às 16h30 de hoje, 678 urnas precisaram ser substituídas em todo o estado porque apresentaram alguma falha. Isso correspondeu a cerca de 0,59% do total de 115.510 urnas utilizadas na votação em São Paulo. Todas elas foram substituídas por outras urnas eletrônicas.

"Não houve necessidade de utilização de urna de lona", finalizou o presidente do TRE-SP. No primeiro turno, 2.056 urnas precisaram ser substituídas em todo o estado.