Treinos individuais ou coletivos ao vivo: academias dobram aposta no formato on-line

Alex Braga* e Larissa Medeiros
·3 minuto de leitura

RIO — Além de equipamentos para exercícios aeróbicos e musculação, desde o o início da pandemia academias de ginástica passaram a caprichar na oferta de aplicativos para sessões de treinos remotos. Com o prolongamento da necessidade de distanciamento social, os serviços se sofisticam. A rede Bodytech lançou a BT Home, plataforma em que oferece aulas ao vivo, coletivas ou individuais. Já a Smart Fit, que também oferece personal trainer on-line, pelo programa Smart Fit Coach, reformulou este mês a plataforma Smart Fit Go, turbinada com os vídeos do aplicativo Queima Diária, comprado pela rede.

Diretor técnico da Bodytech, Eduardo Netto diz que o grupo já oferecia serviços de atendimento remoto e continuará a fazê-lo após este período atípico. Segundo ele, as atividades são vistas pela marca como uma oportunidade e não como ameaça aos treinos presenciais.

— No futuro, acredito que o atendimento tende a ser híbrido. Penso que a presencial e o virtual nunca vão se sobrepor, mas se complementar. Hoje, é a Covid-19 que impede a ida às academias; depois, quando isso tudo acabar, pode ser uma viagem ou um horário de trabalho estendido. Pretendemos aprimorar nossos serviços remotos para serem usados mesmo depois da pandemia — explica.

Alunos iniciantes podem se sentir inseguros sem um profissional de educação física ao seu lado. Ciente disso, o diretor técnico da Smart Fit, Luiz Carlos Carnevali, afirma que o material desenvolvido pela rede tem conteúdo específico para praticantes de todos os níveis:

— No aplicativo, o cliente escolhe o nível de prática adequado ao seu perfil. O programa é bem didático, demonstra por ilustrações a maneira correta de proceder. Já nas aulas ao vivo, o professor está vendo os alunos e pode corrigir quem fizer um movimento incorreto.

Jackie Sampaio baixou o aplicativo da Smart Fit após seis anos sem treinar. Diz que é preciso força de vontade para se exercitar em casa.

— Trabalhei na minha cabeça que preciso emagrecer e até o momento não esmoreci — conta.

A bióloga Isabel Oliveira, que contratou aulas personalizadas pelo BT Home, revela seus estímulos para manter o ritmo de treinos:

— Já na primeira aula, gostei do professor. Tenho muitas dores na lombar, e o treino com ele diminuiu esse desconforto. O fato de a aula ser reservada também me comprometeu, pois o professor está me esperando.

Nas duas redes, os programas são exclusivos para alunos. A Smart Fit tem ainda o Treine em Casa, disponível para toda a população gratuitamente.

Mesmo em casa, a orientação é essencial

Na rotina de exercícios da funcionária pública Silvia Knoller, que frequentava a academia há mais de oito anos, a academia on-line foi completamente adaptada. Os halteres, por exemplo, foram substituídos por garrafas de água e os quilômetros da esteira trocaram de lugar com números de voltas dentro de casa. Assim como ela, muita gente precisou ter jogo de cintura, mas, segundo Haroldo Chagas, neurocirurgião e médico especialista em coluna do Hospital Federal da Lagoa, é preciso ter cuidado na hora de malhar sem orientação.

— Exercícios envolvem articulações e a ativação de músculos. Com excesso de carga ou praticados de forma inadequada, eles podem ocasionar lesões. Sem dúvida alguma a atividade física com supervisão especializada é o melhor custo-benefício — diz.

Silvia afirma que a orientação à distância foi de suma importância para evitar lesões.

— Fiz alongamento por videochamada e exercícios com treinos já gravados. Não se compara ao presencial, mas ajuda muito — pondera.

Netto acredita que, em casa ou na academia, a figura do educador físico é essencial até para quem já malhava antes.

— Pessoas que já têm experiências saem na frente por já conheceram as técnicas de execução, portanto as chances de se adaptarem melhor são maiores. Mas é importante não exagerar e nem fazer adaptações nos exercícios e na prescrição. Todo cuidado é pouco.Por isso, mesmo em casa, é importante buscar orientação de um profissional — diz.

* Estagiário, sob a supervisão de Lilian Fernandes

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)