Trens, metrô e barcas no Rio têm queda elevada no fluxo de passageiros

Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil

A restrição da circulação entre a região metropolitana do Rio de Janeiro para a capital fluminense, a fim de evitar a propagação do novo coronavírus (covid-19), levou a uma queda acentuada do fluxo de passageiros do transporte público.

Desde sábado (21), o governo estadual suspendeu as linhas de ônibus intermunicipais que ligam o Grande Rio à capital, fechou dez estações de trem na Baixada Fluminense e permitiu acesso aos transportes ferroviário e aquaviário intermunicipais apenas aos trabalhadores de serviços essenciais.

A SuperVia informou hoje (24) que registrou redução de 146 mil passageiros no sistema ferroviário, do início da operação desta terça-feira até as 9h, o que corresponde a uma queda de 69,8% no movimento, em comparação a uma terça-feira comum.

Ontem (23), a concessionária registrou diminuição de mais de 428 mil passageiros, o que equivale a uma queda de 70,8% em relação a uma segunda-feira normal. Desde o dia 16, a SuperVia contabilizou a perda de mais de 2 milhões de passageiros.

A operação do transporte aquaviário registrou, até as 10h de hoje, redução de 66% na demanda em relação à média das terças-feiras. Ontem (23), a CCR Barcas teve redução de cerca de 75% na demanda em relação à média de segundas-feiras. A concessionária informou que as barcas estão transportando apenas passageiros sentados.

A operação do MetrôRio continua nas três linhas, com todas as estações abertas. Em função das restrições de mobilidade e da suspensão de diversos serviços  na cidade, o MetrôRio registrou redução de 84% no fluxo de passageiros nesta segunda-feira, comparado a uma segunda-feira regular. A concessionária fechou 35 acessos com menor movimento em 19 estações, sendo 30 fechados totalmente e cinco bloqueados em parte do dia.

BRT

A partir de amanhã (25), o serviço em todas as linhas do BRT será interrompido à meia-noite e só volta a funcionar às 4h. Além disso, 28 estações nos três corredores ficarão fechadas por tempo indeterminado. As medidas foram tomadas em acordo com a prefeitura do Rio para enfrentar a pandemia da covid-19.

A demanda de passageiros nos três corredores já é muito reduzida nas madrugadas, e a queda no número de passageiros se acentuou com as restrições de circulação de combate ao novo coronavírus.

A medida servirá para aprimorar as ações de fiscalização que estão sendo desenvolvidas pelo poder público para melhor organizar o controle de usuários nos ônibus articulados.