Cinco pessoas morrem por conta das fortes chuvas no Rio

Folhapress

As fortes chuvas que atingiram a cidade do Rio de Janeiro na noite de ontem (6) deixaram pelo menos cinco mortos. Até o início desta manhã (7), a informação era de três óbitos, mas o número foi atualizado pelo prefeito Marcelo Crivella. A Prefeitura do município decretou luto oficial de três dias.

RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO NO SEU WHATSAPP

Em Guaratiba, na zona oeste, uma casa desabou, matando duas pessoas e deixando dois feridos. Já na comunidade da Rocinha, na zona sul, um deslizamento de terra matou uma pessoa. Próximo dali, no morro do Vidigal, as chuvas provocaram deslizamentos de terra que atingiram dois ônibus na zona sul. Os veículos foram atingidos em dois pontos diferentes por terras e árvores, na Avenida Niemeyer, que liga o Leblon a São Conrado.

Dentro de um dos ônibus, que foi esmagado por uma árvore e onde os bombeiros ainda não conseguiram entrar, acredita-se haver dois passageiros, de acordo com Crivella. Em outro ponto, a pista da ciclovia Tim Maia foi derrubada e caiu no mar.

Leia mais:
Vídeo mostra morador do RJ levado por enxurrada

Com os acidentes, a Avenida Niemeyer está completamente interditada. Desde a noite de ontem, o município está em estágio de crise, o mais grave de uma escala de três níveis.

Estágio de crise foi decretado

A prefeitura do Rio decretou estágio de crise na cidade, por conta das fortes chuvas que caem desde o início da noite de quarta. Alguns bairros foram mais afetados, como Rocinha, Vidigal, Alto da Boa Vista e Barra da Tijuca. Por conta dos ventos fortes, foi grande o número de árvores caídas sobre diversas ruas.

O estágio de crise é o terceiro grau de alerta, quando há chuva muito forte, alagamentos e deslizamentos. O Centro de Operações do Rio (COR) emitiu alertas pedindo para as pessoas não saírem de casa ou de lugares abrigados, a menos que seja extremamente necessário. Sirenes foram acionadas na Favela da Rocinha e também na Comunidade Sítio Pai João, no bairro do Itanhangá, perto da Barra da Tijuca. A orientação do Sistema Alerta Rio é que as pessoas sigam para pontos seguros de apoio.

Orientações à população

Ao decretar o estágio de crise às 22h15, O Centro de Operações da Prefeitura do Rio informou que  devido áreas de instabilidade com intensidade forte a muito forte atuam desde o início desta noite e permanecem atuando, principalmente nas regiões das zonas sul e oeste da cidade do Rio de Janeiro. A previsão para as próximas horas é de chuva forte a muito forte na cidade.

A prefeitura pede que as pessoas permaneçam em casa e que somente se desloque em caso de extrema necessidade. Em pontos de alagamento, evite contato direto com postes ou equipamentos que possam estar energizados. Outra orientação é que o morador verifique se há sinais de rachaduras em sua residência. Ao perceber trincas ou abalo na estrutura, acione a Defesa Civil Municipal pelo número 199 e, neste caso, evite ficar na casa.

Moradores de áreas de risco precisam ficar atentos aos alertas sonoros. O acionamento das sirenes indica perigo de deslizamento. As pessoas devem se deslocar para os pontos de apoio estabelecidos pela Defesa Civil Municipal. Os locais são informados pelo número 199. Se necessário, use os telefones de emergência 193 (Corpo de Bombeiros), 199 (Defesa Civil) ou 1746 (Central de Atendimento da prefeitura).

Interdição

O Túnel Zuzu Angel foi interditado, no sentido Lagoa, pela queda de uma árvore. O túnel liga o bairro da Gávea a São Conrado, na zona sul da cidade. O sistema é integrado ainda pelo Túnel Acústico, com 550 metros de extensão, próximo à PUC-RJ, pelo Túnel São Conrado e pelo Elevado das Bandeiras. Atualmente, o sistema atende a um tráfego de 130 mil veículos por dia.

A queda de uma árvore no lado do túnel Santa Bárbara, em Laranjeiras, interditou uma faixa em cada sentido de acesso ao túnel. Equipes da prefeitura e do Corpo de Bombeiros foram acionados para liberar as pistas. A Linha Amarela, que liga a Barra da Tijuca à Avenida Brasil, está interditada na saída 9, em Bonsucesso, devido a queda de uma árvore na via expressa.

Em Copacabana, houve a queda de cinco árvores no trecho da Avenida Nossa Senhora Copacabana, entre as ruas Miguel Lemos e Raimundo Correia. Este trecho está parcialmente interditado. Na Rua Constante Ramos, entre a Barata Ribeiro e a Avenida Nossa Senhora de Copacabana, outra árvore foi derrubada pela força da ventania.

Árvores caíram na Rua Barata Ribeiro com Rua Barão de Ipanema, e também na Rua Xavier da Silveira, próximo à estação do metrô e na Rua Miguel Lemos com Leopoldo Migues. O canal do Jardim de Alah, no Leblon também transbordou, devido a força da água do mar.

Falta de luz

A concessionária de energia Light informa que registrou interrupções de energia, especialmente em trechos da zona oeste, como Barra da Tijuca e Recreio e, na zona norte, em especial no bairro da Tijuca.

Os ventos muito fortes provocam queda de objetos sobre a rede, galhos de árvores e árvores inteiras, dificultando os reparos. A Light segue trabalhando para restabelecer o fornecimento de energia. Dezenas de árvores caíram sobre a rede de alta-tensão e deixaram vários bairros às escuras.

Choveu muito forte também em Santa Cruz, Guaratiba e na Grota Funda, com risco de alagamentos. O Sistema Alerta Rio informa que núcleos de chuva moderada a forte avançam pelo litoral sul e se aproximam da Baía de Sepetiba. Chove forte na zona oeste, com raios e ventania. Na Base Aérea de Santa Cruz, a ventania atingiu 74 quilômetros por hora (km/h) na estação do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) instalada no local.

Angra dos Reis

Em Angra dos Reis, devido ao mau tempo e a recomendação da Defesa Civil é para não realizar a travessia para a Ilha da Gipoia. A oficina de hoje à noite sobre a revisão do Plano Diretor, que ocorreria na Escola Municipal Alberto Torres, na Praia das Flechas, foi adiada.

Com informações da Agência Brasil