TRF-1 permite reabertura de investigação sobre facada em Bolsonaro

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA - Uma decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), nesta quarta-feira, liberou a continuidade das investigações que apuram se Adélio Bispo de Oliveira agiu a mando de outras pessoas no atentado contra o presidente Jair Bolsonaro, durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG) em setembro de 2018.

Por 3 votos a 1, a segunda seção do TRF1 negou o mandando de segurança que pedia a suspensão de decisão da 3ª Vara Federal da cidade mineira que autorizava a quebra do sigilo bancário do advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior, que é defensor do homem que atacou Bolsonaro com uma facada.

A liminar também blindava o acesso aos dados de empresas das quais o advogado é sócio. Além disso, impedia a busca e apreensão de livros caixa, recibos e comprovantes de pagamento de honorários e do telefone do defensor de Adlélio. O mandado de segurança foi impetrado pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e pela Ordem dos Advogados do Brasil em Minas Gerais (OAB/MG).

A decisão abre o caminho para que a retomada das investigações, incluindo a análise de imagens sde segurança e outros documentos. A Polícia Federal, no entanto, em dois inquéritos já concluiu que Adélio Bispo agiu sozinho e não houve um mandanto para o crime.

Em 2019, o juiz Bruno Savino, 3ª Vara Federal em Juiz de Fora, absolveu Adélio Bispo porque o agressor sofre de Transtorno Delirante Persistente e é inimputável. Portanto, não pode ser punido criminalmente.

O Ministério Público Federal e o presidente Jair Bolsonaro não recorreram da decisão. E o processo foi encerrado. Adélio está preso na Penitenciária de Campo Grande no aguardo de vaga em uma unidade psiquiátrica.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos