Tribos do sul da Líbia assinam acordo de paz na Itália

(Arquivo) O ministro italiano do Interior, Marco Minniti, no dia 5 de janeiro de 2017

Tribos do sul da Líbia assinaram em Roma um acordo de paz que prevê um reforço no controle dos 5 mil quilômetros de fronteira no sul do país, onde atuam, principalmente, redes de tráfico de migrantes, confirmou neste domingo o Ministério do Interior da Itália.

O ministério, anfitrião do encontro, confirmou à AFP informações divulgadas hoje pela imprensa italiana referindo-se a um acordo de 12 pontos concluído após uma sessão de 72 horas de negociações secretas, na última sexta-feira, em Roma.

O novo dispositivo de controle na fronteira do sul, cujo efetivo ainda não foi definido, irá complementar a ação dos seguranças no norte para interceptar os traficantes.

"Garantir a segurança da fronteira no sul da Líbia significa garantir a segurança da fronteira sul da Europa", afirmou o ministro do Interior da Itália, Marco Minniti, ao jornal "La Stampa".

Reuniram-se em Roma 60 chefes de clãs e um representante do governo líbio de União Nacional, baseado em Trípoli.

Desde a queda do regime de Muamar Khadafi, em 2011, a Líbia vive um clima de incerteza devido à crise política profunda e à insegurança naquele país. O sul é cenário de uma luta entre comunidades e clãs pelo controle das estradas que passam pelas fronteiras, pelas quais circulam produtos manufaturados, mantimentos e gado, mas também migrantes, tabaco, drogas e armas.

A iniciativa de mediação italiana tem o objetivo de combater "uma economia baseada no tráfico ilegal que gera centenas de mortes no Mediterrâneo, milhares de desesperados em busca de uma vida melhor, um impulso populista (na Europa) e a ameaça jihadista no deserto", indica o documento final do encontro, citado pelo "Corriere della Sera".

cm/ob/aoc/me/lb