Tribunal dos EUA considera Steve Bannon culpado por desacato ao Congresso

Um dos principais estrategistas políticos do ex-presidente Donald Trump, Steve Bannon, foi considerado culpado por desacato ao Congresso, uma acusação relacionada à sua recusa em cooperar com a comissão que investiga a invasão do Capitólio por apoiadores de Trump, no dia 6 de janeiro de 2021.

Antes do julgamento: Bannon aceita depor em comissão da Câmara dos EUA

Investigação: Serviço Secreto dos EUA é acusado de apagar mensagens relacionadas à invasão do Capitólio

O júri do tribunal federal onde o caso foi analisado em Washington chegou ao veredito em menos de três horas, e confirmou as acusações apresentadas pela comissão da Câmara, de que ele, ao se recusar a entregar documentos exigidos pelos deputados, tentou atrasar e atrapalhar a investigação.

Apesar do desacato ser considerado um crime leve, e que tem uma pena máxima de doze meses de prisão e multa — a sentença será anunciada no dia 21 de outubro — o processo foi uma espécie de teste sobre como o Departamento de Justiça vai agir contra aliados próximos de Trump em relação ao ataque. Ao ouvir a sentença, Bannon não se pronunciou, apenas deu um sorriso e deu um tapa nas costas de seus advogados.

Mentiras: Citado pela PF, ideólogo de Trump propaga fake news sobre urnas eletrônicas

A comissão da Câmara considera que Bannon, mesmo sem um cargo oficial na Casa Branca, exercia grande influência sobre Trump, e tinha acesso direto ao ex-presidente. Por isso, os deputados consideraram que seu depoimento e documentos que ele poderia fornecer à investigação eram cruciais para entender o que ocorreu antes e durante a invasão, que deixou sete mortos.

“O sr. Bannon parece ter tido um papel amplo nos eventos do dia 6 de janeiro, e o povo americano precisa ouvir seu testemunho sobre suas ações”, declarou um relatório da comissão, de outubro, recomendando que ele fosse processado por desacato.

Em 2020: Preso sob acusação de fraude, Steve Bannon, ex-estrategista de Trump, paga fiança de US$ 5 milhões e é solto

O plenário da Câmara aprovou o pedido em outubro, enviando o caso ao Departamento de Justiça.

— Esse foi um caso simples sobre um homem, aquele homem [Bannon], que não apareceu — afirmou a promotora Molly Gaston. — [Bannon] não queria reconhecer a autoridade do Congresso ou jogar pelas regras do governo.

No mês passado, um outro aliado de Trump, o ex-conselheiro da Casa Branca, Peter Navarro, se tornou réu em mais um caso de desacato ao Congresso — ele se declarou inocente. Como Bannon, Navarro também não atendeu aos pedidos feitos pela comissão da Câmara.

Acusações

Ao longo dos meses de trabalho da comissão da Câmara, iniciados no ano passado, o nome de Bannon apareceu diversas vezes, especialmente nos dias que antecederam a invasão. Na véspera da invasão, ele conversou por 11 minutos com Trump, e logo depois participou de um programa de entrevistas na internet: ali, afirmou que “todo o inferno vai acontecer amanhã”, se referindo ao protesto convocado pelo presidente para questionar sua derrota na eleição de novembro de 2020 para Joe Biden.

— Digo a vocês, não vai acontecer como vocês pensam que vai acontecer. Vai ser extraordinariamente diferente — disse Bannon.

Outro ponto levantado pelos deputados foi uma conversa por telefone entre Bannon e Trump, no dia 30 de dezembro de 2020, quando o estrategista político pediu ao então presidente que concentrasse seus esforços “no 6 de janeiro”, dia em que o Congresso certificaria os resultados da eleição.

Aliado: A horas do fim de seu governo, Trump concede perdão a Steve Bannon e outros aliados

Depois do início da comissão, Trump pediu a seus aliados mais próximos que não cooperassem com os deputados, apelando para uma ferramenta conhecida como “privilégio executivo”, que permite tornar sigilosas determinadas informações por questões de segurança nacional — a comissão rechaçou o argumento alegando que Bannon não tinha funções oficiais na Casa Branca desde 2017.

Com o processo na Justiça, Bannon inicialmente prometeu transformar o julgamento “em um inferno”, e tentou atrapalhar o andamento do caso. Contudo, no começo do mês, pareceu mudar de ideia, e se apresentou para prestar depoimento na comissão da Câmara, obtendo inclusive o aval de Trump, mas deputados e o Departamento de Justiça questionam as reais intenções do estrategista político.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos