Tribunal europeu condena Turquia por prender jornalistas

·1 minuto de leitura
O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH) em Estrasburgo
O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH) em Estrasburgo

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos (TEDH) condenou a Turquia, nesta terça-feira (10), por colocar jornalistas de um jornal de oposição em prisão preventiva em 2016, sob a suspeita de fazerem "propaganda para organizações terroristas". 

Essas prisões constituem uma "interferência no exercício de seu direito à liberdade de expressão", declarou o Tribunal de Estrasburgo em sua decisão, depois que dez jornalistas do jornal de oposição Cumhuriyet recorreram a ele.

As prisões preventivas, alguns meses após o fracassado golpe de Estado de julho de 2016 contra o presidente Recep Tayyip Erdogan, foram motivadas "pela linha editorial do jornal Cumhuriyet em suas matérias e nas redes sociais, nas quais criticavam certas políticas do governo", disse o tribunal em um comunicado.

Para justificar as prisões, a Justiça turca afirmou, à época, que havia fortes suspeitas de que os jornalistas faziam "publicidade" e "propaganda" para "organizações terroristas".

Um dos solicitantes foi colocado em prisão preventiva em novembro de 2016, sendo solto em abril de 2018. 

A Turquia terá de pagar 16.000 euros (cerca de 19.000 dólares) por danos morais a cada um dos jornalistas. Ancara ocupa a posição 157 - entre 180 países - na classificação da liberdade de imprensa da organização Repórteres sem Fronteiras de 2019.

dsa-meb/es/aa/tt