Tribunal japonês ordena revisão de julgamento do condenado à morte 'mais antigo' do mundo

·1 minuto de leitura
Iwao Hakamada foi condenado em 1968 à pena de morte por quatro assassinatos

O Tribunal Supremo japonês autorizou nesta quarta-feira (23) a revisão do julgamento de um condenado à pena capital que é considerada a pessoa que está há mais tempo no corredor da morte - anunciaram os advogados de defesa.

Iwao Hakamada, um japonês de 84 anos, está há 48 anos no corredor da morte. Ele foi condenado em 1968 à pena capital por quatro assassinatos.

Hakamada, um ex-boxeador, confessou os crimes após várias semanas de interrogatórios, mas depois mudou o depoimento. Desde então, alega inocência. Em 1980, a condenação foi confirmada na apelação.

Em 2014, um tribunal determinou sua libertação, depois que exames de DNA colocaram em dúvida sua culpa, e determinou um novo julgamento.

Em 2018, no entanto, o Tribunal Supremo de Tóquio questionou a confiabilidade dos exames e anulou a decisão. Finalmente, a Corte Suprema do Japão decidiu nesta quarta-feira a favor de Hakamada.

"O fato de que caminhamos para a revisão do julgamento é uma boa notícia. Minhas mãos ainda tremem", escreveu o advogado, Yoshiyuki Todate.

Nos últimos anos, o Japão registrou o aumento das demandas de revisão de julgamentos, favorecidas por mudanças no sistema judicial: a criação de júris populares para os crimes graves e a obrigação de que os promotores apresentem provas materiais à defesa dos acusados e não solicitem condenações com base somente nas confissões.

Desde os anos 1980, quatro condenados à morte foram declarados inocentes no país várias décadas depois de sua primeira sentença.

bur-nf-sah/mac/ras/fio/zm/bl/fp/tt