Trinta anos sem Freddie Mercury: veja dez curiosidades sobre o astro do Queen

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·4 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Um dos maiores nomes do rock de todos os tempos, Freddie Mercury morreu, aos 45 anos, no dia 24 de novembro de 1991. Vocalista, músico e compositor de algusndos maiores sucessos do Queen, ele deixava milhões de fãs desconsolados há 30 anos, quando não resistiu às complicações de uma broncopneumonia causadas pelo vírus da Aids.

Farrokh Bulsara — que adotou o nome "Freddie" quando era estudante no St. Peter, colégio inglês que frequentava na Índia, antes de se mudar para Londres — também tornou-se um símbolo da luta contra o preconceito, ao tornar público, um dia antes de sua morte, que era soropositivo.

Nos 30 anos sem o ídolo, descubra 10 curiosidades sobre Freddie Mercury:

Seis dentes a mais

Freddie Mercury tinha uma condição chamada dentes supranumerários, o que fazia com que ele tivesse 36 dentes, contando os sisos, ao contrário do número considerado normal para um adulto, de 32 dentes. Era a quantidade de dentes a mais que gerava a característica mais conhecida de seu sorriso, que o cantor não gostava, mas que ampliavam seu alcance vocal, pelo aumento de espaço no interior da boca. Por esse motivo, ele optou por não fazer cirurgia para a extração dos dentes a mais.

Aeroporto e banca no Mercado de Kensington

Antes da fama, Freddie trabalhou trabalhou no Aeroporto de Heathrow, em Londres. O futuro astro também tinha uma banca no Mercado de Kensington, onde vendia suas peças de arte e mantinha um brechó. O baterista Roger Taylor chegou a ajudá-lo nop comércio.

Formação como designer gráfico

Freddie se formou como designer gráfico pelo Ealing Art College, em Londres, e foi o responsável pela criação do logo da banda Queen, conhecido como "Queen Crest". A arte faz referência à astrologia: os leões representam o signo do ex-baixista John Deacon e do baterista Roger Taylor, e as fadas representam o signo de virgem, de Freddie. Além do vocalista, todos os demais integrantes completaram o ensino superior: o guitarrista Brian May é PhD em astrofísica, Deacon é engenheiro elétrico e Taylor é biólogo.

Ajudante de palco de Bowie

Anos antes de gravarem juntos o hit "Under pressure", Freddie Mercury e David Bowie se conheceram quando ainda sonhavam com a fama e os holofotes. Em 1969, um ainda desconhecido David Bowie foi contratado para um show na Ealing Art College, faculdade onde Freddie estudava, e ele, ansioso para estar próximo ao universo musical, se ofereceu para carregar os equipamentos e montar o palco improvisado. Sem dinheiro, Bowie deu um par de botas como pagamento ao futuro astro do Queen.

Auxílio no disfarce de Diana

Outra amizade célebre de Freddie Mercury foi a Princesa Diana. Certa vez, ele teria inclusive ajudado a Princesa de Galesa se fantasiar de homem, para quer ela pudesse sair com os integrantes do Queen sem ser reconhecida.

Um asteroide chamado Freddie

Não é apenas força de expressão dizer que Freddie Mercury é um astro. O nome artístico do vocalista foi dado em 2016 ao Asteroide 17473, localizada entre Júpiter e Marte, descoberto em 1991. O anúncio do batismo do asteroide Freddiemercury 17473 foi feito por Brian May. Seu nome também batiza uma planta, de flores amarelas, numa homenagem póstuma.

Fortuna para ex

Apesar de passar os últimos sete anos de sua vida com o namorado Jim Hutton, Freddie Mercury deixou boa parte de sua herança para Mary Austin, sua ex-namorada. Ela herdou sua mansão em Garden Lodge e metade de sua fortuna, além de dividendos de direitos autorais. Também foram beneficiados Hutton, o seu assistente pessoal, Peter Freestone, e seu cozinheiro, Joe Fanelli, além de sua irmã e seus pais. Freddie conheceu Mary em 1970, quando ela era vendedora da butique Biba, point londrino da moda na época. Eles ficaram juntos por seis anos e o cantor compôs para ela um dos maiores sucessos do Queen, ""Love of my life".

Corredor exclusivo no Rock in Rio

Em uma de suas três passagens para shows no Brasil, em 1985, quando o Queen fez uma das apresentações mais lendárias do Rock in Rio de 1985, Freddie Mercury desagradou os colegas brasileiros ao exigir que ninguém saísse dos camarins durante a sua passagem pelo corredor para o palco.

'We are the champions' é campeã no Brasil

Segundo levantamento inédito do Ecad, "We are the champions" foi a música de Freddie Mercury que mais ganhou versões brasileiras. Como adiantou o colunista Lauro Jardim, a canção foi gravada, entre outros, por Paulo Ricardo, Zezé di Camargo e Luciano e o Pato Fu. E "Crazy little thing called love" foi a música de sua autoria mais tocada no Brasil nos últimos 10 anos.

Vida contada em HQ

Após ganhar uma cinebiografia de sucesso estrelada por Rami Malek, a trajetória de Freddie Mercury também foi transformada em quadrinhos. A Z2 Comics anunciou em maio o lançamento da graphic novel "Freddie Mercury: Lover of life, singer of songs" em parceria com a gravadora Universal Music e a Mercury Songs. Com136 páginas, a revista, escrita por Tres Dean, abrange desde a infância em Zanzibar, ilha da costa da Tanzânia, até o auge como vocalista do Queen.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos