Tripulantes contaminados por Covid-19 são retirados de navio na Baía da Guanabara

Ramona Ordoñez
·3 minuto de leitura

RIO- Foram resgatados de helicóptero os quatro tripulantes contaminados por Covid-19, do navio Baru Mucura, da empresa Baru Offshore Navegação, de apoio às ativdades de exploração e produção de petróleo. O navio estava desde a semana passada ancorado na Baía de Guanabara, justamente por causa da contaminação da tripulação.

De acordo com relatos de fontes próximas aos tripulantes, eles embarcaram no último dia 29 abril, após realizarem os exames para o teste de Covid-19 que, no entanto, demoram dias para ter resultado. Ainda no dia do embarque fizeram o teste rápido que deu negativo para todos . Mas os trabalhadores, diz essa fonte, por conta própria entraram no site do laboratório que fez os primeiros exames e constataram que quatro deram positivo para o coronavírus.

Procurada, a empresa em nota confirmou que no primeiro teste todos testaram negativo , e que em um segundo teste realizado, os quatro testaram positivo. A Baru Offshore explicou, contudo, que no último teste realizado, o qual tiveram acesso ao resultado nesta quinta-feira, 7 de maio, todos testaram negativo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que autorizou o desembarque dos quatro tripulantes. A agência afirmou ainda já determinado as medidas sanitárias necessárias a serem adotadas na embarcação. A Anvisa explicou ainda que está monitorando o estado de saúde de todos os tripulantes a bordo.

O navio deverá permanecer no local até completar 14 dias de quarentena a contar a partir do último dia 5 de maio, quando foi notificado os casos de contaminaçao no diário de bordo do navio.

Desde a confirmação dos casos positivos informados pela Agência Marítima à Anvisa, a agência solicitou a avaliação médica de toda a tripulação diariamente e a higienização e o uso de equipamentos como máscaras e EPIs.

Empresa diz que tomou todas as providências

A Baru Offshore Navegação informou que, na noite do último dia 7, recebeu a autorização das autoridades sanitárias para desembarcar os quatro tripulantes que testaram positiva no segundo teste e que estava tomando as providências necessárias para fazer o desembarque .

De acordo com relato de fones, a partir da descoberta que quatro tripulantes estavam com o coronavírus, a empresa não teria prestado nenhuma informação aos trabalhadores, nem enviou nenhuma equipe médica ao local, enviando apenas quites de higiene.

A Baru Offshore, por sua vez, destacou que previamente ao embarque, todos os tripulantes realizaram os protocolos determinados pelas autoridades sanitárias, pela área de saúde da Baru e pelo cliente, incluindo avaliação de saúde prévia ao embarque e testagem para Covid-19, a qual na ocasião resultou negativa para todos. Após cinco dias do embarque a empresa tomou conhecimento do resultado que constatou que quatro tripulantes testaram positivo.

A Baru Offshore explicou que imediatamente iniciou os protocolos de isolamento a bordo, e acionou médico infectologista para avaliar remotamente o quadro de saúde de cada tripulante , que segundo a empresa, estavam todos assintomáticos , além de comunicar o caso ao ao cliente e às autoridades sanitárias.

“ Embora a companhia permaneça monitorando o estado de saúde da tripulação, a decisão quanto ao desembarque, quarentena e demais ações dependem da autorização dos órgãos competentes,” diz a nota da empresa.

A empresa garantiu ainda que desde o início está em contato com o comandante da embarcação, prestando informações sobre todas as medidas a serem adotadas e avaliando a situação a bordo e sobre o estado dos tripulantes.

O Ministério Público do Trabalho do Rio de Janeiro (MPT-RJ) informou que a situação dos trabalhadores na embarcação Mucura também está sendo acompanhada pelo MPT no âmbito do Projeto Ouro Negro. De acordo com o MPT-RJ e outras instituições estão avaliando as medidas cabíveis a serem adotadas .