Tripulantes morrem em navios de cruzeiro

(ARQUIVO) Em 7 de março de 2020, o navio de cruzeiro Carnival Panorama atracou em Long Beach, Califórnia, onde os passageiros aguardavam a bordo pelos resultados do teste para o coronavírus em um passageiro.

Uma mulher que pulou no mar e um homem que aparentemente se suicidou estão entre os quatro tripulantes mortos por causas não ligadas ao coronavírus em navios com trabalhadores presos a bordo.

Uma ucraniana de 39 anos morreu no domingo ao pular do Regal Princess, na Holanda, informou a Princess Cruises, subsidiária da corporação Carnival.

A embarcação estava em processo de repatriação de sua tripulação.

Essa foi a terceira morte no final de semana em navios com funcionários presos a bordo devido à pandemia e o quarto trabalhador a morrer em menos de 10 dias em circunstâncias incertas.

Com tripulantes cada vez mais desesperados para voltar para casa, um grupo de cerca de 14 trabalhadores iniciou uma greve de fome no fim de semana no "Navigator of the Seas", da Royal Caribbean, ancorado em Miami.

"Neste momento, sentimos que todos somos reféns", disse um membro da tripulação ao Miami Herald sob anonimato, por temores de retaliação da empresa.

"Essa empresa precisa entender que não somos mercadoria a ser transportada".

Em 13 de março, todos os navios de cruzeiro foram submetidos a ordens de não navegação, enquanto o surto avançava em todo o mundo.

Embora os passageiros tenham desembarcado, muitos funcionários permaneceram a bordo.

Há 104 navios de cruzeiro em águas americanas e arredores, com 71.900 tripulantes, confirmou a Guarda Costeira dos Estados Unidos na semana passada.

No domingo, um trabalhador foi encontrado morto por "causas naturais" no "Mariner of the Seas", disse um porta-voz da Royal Caribbean nesta segunda-feira.

Segundo o blog Cruise Law News, o membro da tripulação era um cidadão chinês.

O navio é um dos vários que navegam entre a Flórida e as Bahamas.

No sábado, um homem morreu de aparente suicídio no "Carnival Breeze", que seguia das Bahamas à Europa para repatriar sua equipe.

"Sua morte não está relacionada à COVID-19, mas por respeito à sua família, não informaremos detalhes adicionais", disse o porta-voz do Carnival, Roger Frizzell.

Em 2 de maio, um membro da tripulação se jogou no mar do "Jewel of the Seas". Um porta-voz da Royal Caribbean disse que está colaborando com as autoridades na investigação.