Trocada em maternidade, espanhola processa departamento de saúde

·1 minuto de leitura

MADRI (Reuters) - Uma mulher espanhola de 19 anos cuja identidade foi trocada no nascimento com a de outro bebê nascido horas antes está processando o departamento de saúde por mais de 3 milhões de euros, anunciou seu advogado a um canal local de televisão na terça-feira.

O departamento de saúde da região de La Rioja, no norte da Espanha, disse em nota que uma investigação interna concluiu que "um erro humano pontual" era o culpado e acrescentou que irá respeitar os procedimentos judiciais.

A mulher, que prefere se manter anônima, nasceu em 2002 no hospital de San Millan de Logrono em La Rioja cinco horas depois de outra bebê do sexo feminino.

"No caso da minha cliente, ela nasceu depois mas foi entregue à mãe que deu à luz a primeira criança", disse José Saez Morga, o advogado, à rede de televisão TVR. "Isso é uma negligência tão grande que fala por si só".

De acordo com o site de notícias larioja.com, a menina cresceu em uma família disfuncional e foi criada na maior parte do tempo por sua avó. O erro veio à tona em 2017, quando seu suposto pai exigiu um teste de paternidade durante uma disputa por pensão alimentícia. O exame confirmou que ela não tinha parentesco com a família que a criou.

(Reportagem de Nathan Allen e Emma Pinedo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos