Tropa de Choque usa gás lacrimogênio e bala de borracha para dispersar manifestantes em Novo Hamburgo

Agentes da Tropa de Choque da Polícia Militar do Rio Grande Sul utilizaram balas de borracha e gás lacrimogênio contra manifestantes que tentavam interromper o tráfego na BR-116, em Novo Hamburgo, na Região Metropolitana de Porto Alegre, na manhã desta terça-feira. Em entrevista, o governador do estado, Ranolfo Vieira Junior (PSDB), afirmou que “ações concretas” seriam tomadas para liberar os trechos obstruídos.

Acompanhe: paralisações nas estradas e a repercussão política

Manifestações: prefeito do interior de Goiás recua em apoio a caminhoneiros após prometer marmitas

— Seguimos, num primeiro momento, dialogando com essas pessoas, mas, a partir daí, temos que ter ações concretas. E são várias ações concretas. A primeira delas expedição de multas a esses veículos que estiverem obstruindo vias. É uma multa caríssima. É graduado como infração gravíssima de trânsito. Se for necessário, o recolhimento destes veículos — afirmou Vieira Júnior à Rádio Gaúcha.

O governador disse que a expectativa é de que ainda nesta terça-feira as vias estejam totalmente liberadas. Vieira Júnior confirmou que autorizou a mobilização dos seis batalhões de choque da Brigada Militar do estado para que os protestos sejam neutralizados.

— Nossa ideia sempre é o diálogo, fazer as pessoas que estão fazendo este protesto entenderem que este protesto é ilegal, é antidemocrático, não é republicano. Tem uma decisão das urnas que deve ser cumprida. A partir deste diálogo, havendo resistência, aí teremos que entrar com ações mais concretas, eu diria assim, até porque temos, agora, uma decisão do Supremo Tribunal Federal neste sentido — disse o governador.

Editorial: Brasil tem dever de repudiar ‘Capitólio dos caminhoneiros’

Em Santa Catarina, às 10h desta terça-feira, 77 pontos de interdição foram identificados em trechos de rodovias federais e estaduais em todo o estado. De acordo com o portal NSC Total, a PRF havia informado que tentava fazer uma “liberação pacífica” dos trechos federais ocupados, destacando que também havia acionado a Advocacia-Geral da União (AGU) para a emissão de mandados judiciais permitindo o apoio de outras forças de segurança.

No Paraná, a PRF atualizou que 22 trechos de rodovias no estado estão totalmente interditados. Além desses, outros 11 estão parcialmente ocupados e outros 35 foram liberados.