Trudeau denuncia 'falta de transparência' em processos de dois canadenses na China

·2 minuto de leitura
O primeiro-ministro canadense Justin Trudeao em coletiva de imprensa em Ottawa, Canadá

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, denunciou nesta sexta-feira (19) a "falta de transparência" nos processos dos dois canadenses acusados de espionagem na China, situação que descreveu como "completamente inaceitável" e voltou a pedir sua libertação.

Michael Spavor, um dos dois canadenses detidos na China desde o final de 2018, foi julgado nesta sexta em pouco mais de duas horas em Dandong (nordeste), segundo informou um diplomata canadense. Seu compatriota, Michael Kovrig, deve ser julgado a partir de segunda-feira.

"Sua prisão arbitrária é completamente inaceitável, assim como a falta de transparência sobre esses processos judiciais", declarou Trudeau em coletiva de imprensa.

Diplomatas e jornalistas não foram autorizados a assistir a audiência de Spavor nesta sexta ou a ver o acusado.

O empresário foi preso em dezembro de 2018 ao mesmo tempo que seu compatriota Kovrig, um ex-diplomata, poucos dias depois da prisão no Canadá de uma líder da gigante de telecomunicações chinesa Huawei, a pedido dos Estados Unidos.

Pequim nega qualquer vínculo entre esses dois assuntos.

Meng Wanzhou, filha do fundador da Huawei, foi presa no aeroporto de Vancouver em 1º de dezembro de 2018 a pedido da Justiça americana, que a acusa de ter contornado as sanções contra o Irã. Washington quer julgá-la por fraude bancária.

O caso levou as relações entre Pequim e Ottawa a uma crise sem precedentes.

Trudeau assegurou que seu governo, assim como seus aliados - aos quais agradeceu por terem mostrado "solidariedade global neste caso" -, continuam fazendo pressão sobre a China para que liberte "os dois Michaels", como os dois homens são conhecidos agora no Canadá.

O premier ressaltou que "os americanos levam a sério esta situação" em um momento em que uma reunião entre altos dirigentes de Washington e Pequim inicia no Alasca em um clima glacial no primeiro contato direto neste nível do governo Joe Biden.

"Tenho muita confiança em que o tema será abordado nesta cúpula", disse Trudeau.

"A China tem que entender que não se trata apenas de dois canadenses", insistiu.

"É o respeito ao Estado de direito e às relações com um amplo leque de países ocidentais o que está em jogo com estas prisões arbitrárias e a diplomacia coercitiva à qual se lançaram", assegurou.

Estes países estão "preocupados com esta situação não apenas pelos canadenses, mas também pelas implicações potenciais para seus próprios cidadãos", concluiu.

jl/ast/rle/rs/ll/aa/mvv