Trump é passado e agora Biden é o presidente, diz Bolsonaro

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 07.06.2022 - O presidente Jair Bolsonaro (PL) durante cerimônia de lançamento do programa Brasil pela Vida e pela Família, no Palácio do Planalto, em Brasília. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 07.06.2022 - O presidente Jair Bolsonaro (PL) durante cerimônia de lançamento do programa Brasil pela Vida e pela Família, no Palácio do Planalto, em Brasília. (Foto: Gabriela Biló/Folhapress)

LOS ANGELES, EUA (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta quinta-feira (9) que sua relação o ex-presidente Donald Trump é algo que ficou para trás.

O brasileiro está em Los Angeles para a Cúpula das Américas e um encontro bilateral com o democrata Joe Biden --a primeira conversa dos dois desde que o americano chegou ao poder-- e foi perguntado por jornalistas sobre a relação com o republicano. Bolsonaro sempre se disse fã declarado de Trump, revelou a torcida por sua reeleição e já ecoou o discurso fantasioso de que a vitória de Biden foi fraudada.

"Não vim aqui tratar desse assunto. Já é um passado. Vocês sabem que eu tive um excelente relacionamento com o presidente Trump. O presidente agora é Joe Biden, é com ele que eu converso, ele é o presidente e não se discute mais esse assunto", afirmou Bolsonaro, na saída do hotel.

"Precisamos aprofundar nosso relacionamento. Serão oito anos com o presidente Biden." A conta leva em consideração a reeleição de Bolsonaro no pleito brasileiro, no final do ano --o atual mandatário está em segundo lugar nas pesquisas, que mostram chances de o líder Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vencer em primeiro turno.

Bolsonaro disse que não levou nenhum pedido específico ao democrata, mas que espera um encontro tranquilo. Nesta quinta (9), o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse a jornalistas americanos que Biden deve ignorar as exigências do líder brasileiro e falar sobre ambiente e eleições livres na reunião.

De acordo com o assessor, a pauta climática será "um tema importante da conversa [...], especialmente em ações tangíveis para proteger a Amazônia". Segundo Sullivan, não haverá temas proibidos.

A mensagem contradiz o acordo feito por emissários do presidente americano, que agiram depois de Bolsonaro se mostrar reticente em participar da Cúpula das Américas por não querer ser pressionado pelo democrata, com o qual não tem afinidade política.

Aos jornalistas brasileiros nesta quinta Bolsonaro ainda afirmou que as chances de encontrar o jornalista britânico Dom Philips e o indigenista Bruno Pereira, desaparecidos na Amazônia, "diminuem a cada dia".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos