Trump é processado novamente por escritora por difamação e agressão por suposto estupro

Ex-presidente dos EUA Donald Trump

Por Jonathan Stempel

NOVA YORK (Reuters) - O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump foi processado nesta quinta-feira por difamação pela segunda vez por uma escritora que o acusou de mentir ao negar que ele a estuprou 27 anos atrás.

Em uma ação apresentada no tribunal federal de Manhattan, a ex-colunista da revista Elle E. Jean Carroll também acusou Trump de agressão em um suposto encontro na loja de departamentos Bergdorf Goodman em Manhattan.

Carroll, de 78 anos, entrou com a ação de agressão sob a Lei de Sobreviventes Adultos de Nova York, uma nova lei que dá às vítimas de agressão sexual uma janela de um ano para processar seus supostos agressores, mesmo que o abuso tenha ocorrido há muito tempo e os estatutos de limitações tenham expirado.

Quinta-feira, no feriado do Dia de Ação de Graças, foi o primeiro dia em que os acusadores poderiam processar.

Trump, de 76 anos, negou ter estuprado Carroll ou conhecê-la na época, e disse que ela "não era meu tipo".

Sua primeira negação em junho de 2019 a levou a processar por difamação cinco meses depois.

Ele repetiu a negação em um post de 12 de outubro em sua conta Truth Social, chamando a alegação de Carroll de "embuste" e "mentira", levando à nova alegação de difamação.