Trump apela ao 'bom senso' para reincorporar Rússia ao G7

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o da Rússia, Vladimir Putin

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quarta-feira que é questão de "bom senso" o retorno ao G7 da Rússia, um país expulso do grupo após invadir parte da Ucrânia em 2014.

Trump disse que os países do G7 - Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos - precisam do presidente russo Vladimir Putin para retornar ao formato G8, independentemente de seu comportamento.

"Não é uma questão do que ele fez, é uma questão de bom senso: temos um G7, metade da reunião é dedicada à Rússia e, se ela estiver lá, seria muito mais fácil resolver", afirmou.

Para Trump, "o problema é que muitas das coisas sobre as quais falamos são sobre Putin, então estamos sentados perdendo tempo, porque a reunião termina e alguém precisa ligar para Putin".

"Quero dizer, coloque-o na sala. Costumava ser o G8. Não estou dizendo que ele merece ou não, digo pelo bom senso", ressaltou.

Moscou foi suspenso indefinidamente do G8 depois de ter invadido e declarado território russo a região ucraniana da Crimeia em 2014.

Trump, um crítico da aliança militar da OTAN e que muitas vezes descreve a União Europeia como uma concorrente comercial hostil, pressiona o G7 a adotar uma abordagem mais suave em relação à Rússia.

Após o fracasso do seu plano de sediar uma cúpula do G7 em Washington este mês, em meio à pandemia de coronavírus, Trump anunciou no sábado que deseja reformar o grupo, levando a Rússia e outros países a uma reunião no final deste ano.

O presidente descreveu o G7 como "um grupo de países muito antiquado".

Os parceiros do G7 rejeitam a ideia de transformar o grupo.

"Seu desrespeito contínuo pelas regras e normas internacionais é o motivo pelo qual a Rússia permanece fora do G7 e permanecerá fora", disse o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau a repórteres na segunda-feira.

O representante da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, disse na terça-feira que, embora Trump, como presidente do G7 deste ano, possa convidar a Rússia para a reunião, ele não tem o poder de alterar permanentemente o formato do grupo.