Trump cometeu o 'crime constitucional mais grave já visto', dizem promotores democratas

·1 minuto de leitura
Donald Trump é o único presidente americano a ser submetido a dois julgamentos políticos

Donald Trump cometeu "o crime constitucional mais grave já visto" por um presidente americano, quando incentivou seus apoiadores a invadir a sede do Congresso no mês passado, disseram os promotores democratas nesta segunda-feira (8), véspera de seu julgamento político no Senado.

Em sua apresentação final antes dos 100 membros da Câmara Alta se reunirem para julgar Trump, os nove promotores no julgamento - todos congressistas democratas - também insistiram que o caso não deveria ser arquivado.

Os advogados de Trump pediram ao Senado na segunda-feira que rejeitasse o julgamento em um documento publicado horas antes, alegando que "carece de jurisdição" para julgar Trump, que deixou o cargo em 20 de janeiro, já que não era mais o presidente ativo.

Os líderes democratas rejeitaram diretamente o argumento, dizendo que havia evidências "avassaladoras" de crimes e contravenções acionáveis.

"Sua incitação à insurreição contra o governo dos Estados Unidos - que causou a interrupção da transferência pacífica do poder - é o crime constitucional mais grave já visto", expuseram no documento.

“O artigo do impeachment argumenta que um delito imputável pela Constituição não está sujeito a uma moção de rejeição (e) está dentro da jurisdição do Senado atuando como Tribunal de Impeachment”, asseguraram.

Há também uma pressão crescente para que o julgamento seja resolvido rapidamente para que o Senado possa se concentrar em outras prioridades legislativas, como o grande plano de ajuda contra o coronavírus promovido por Joe Biden.

co-mlm/bgs/rsr/rs/mr/aa/ap/mvv